Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/08/2015

Um dia como os outros na vida do estado sucial (24) – A falta que o nanny state nos faz

«Estado falha na proteção de bebés de toxicodependentes que não vão às consultas» um título do DN que diz mais sobre o desvelado amor ao nanny state do que qualquer declaração de princípios. A falha não é da mãe que fugiu do hospital – ela é inimputável; a falha não é do pai que nem sabe de nada - ele é inimputável; a falha não é da família da mãe – eles são inimputáveis; ainda menos da família do pai - eles também são inimputáveis.

A falha é da jornalista que não escreve notícias, defende causas, promove a irresponsabilidade dos responsáveis e aponta o dedo ao nanny state que é também é inimputável.

Quem à primeira vista parecia ter perdido a fé nas virtualidades do nanny state é o PS que mandou um dos 12 sábios de «Uma década para Portugal» dizer que a recuperação da produção industrial não se deve ao nanny state mas apenas aos empresários. Á segunda vista percebe-se que a fé é inabalável, porque logo acusa o governo «que nada fez para apoiar os empresários» - por isso tiveram os empresários que dar corda aos sapatos o que aos socialistas não parecerá uma boa ideia porque evidenciaria a irrelevância das suas políticas, salvo para gerar crises.

2 comentários:

Antonio Cristovao disse...

As galambices do PS, ou passam despercebidas ou são um problema sério: ontem foi dito que agora ss pessoas compram carros a credito,porque vivem nas austeridade, mas com os incentivos que PS vai dar, acabam as compras de carros e passam a comprar produtos de consumo diário!!

Anónimo disse...

Acho que sim, sobretudo papel macio em rolo. Parece que escasseia nos países socialistas avançados. Em caso de grave austeridade, quem fica a ganhar são os jornais: têm o tipo de papel mais usado no planeta para limpiar el culo.
Isto vai acabar mal; aos tiros e sacholadas