Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/08/2015

ARTIGO DEFUNTO: Ora que espanto

Continuando no tema salário mínimo.

Com grande espanto, o DN descobriu agora que «desde 2011, a percentagem de trabalhadores a ganhar o SMN subiu 73,6%». Pois não é inevitável que os aumentos em termos reais do SMN determinem que aumente o número de trabalhadores abrangidos, sobretudo quando o salário médio se mantém ou mesmo diminui como em 2013?

Espantou-se o DN mas ainda não descobriu que depois o aumento do SMN em Setembro do ano passado o desemprego interrompeu a descida precisamente nessa altura e só recomeçou a descer vários meses depois e só no 2.º trimestre deste ano melhorou significativamente.

Se descobrisse também se espantaria, pelo menos enquanto não percebesse a relação entre salário mínimo e desemprego. Pode começar pelo post «Salário mínimo e desemprego - unintended consequences», continuar na etiqueta salário mínimo e acabar, por agora, com o artigo da Economist «A reckless wager - A global movement toward much higher minimum wages is dangerous».

Sem comentários: