Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/08/2015

Títulos inspirados (45) – O diário da manhã no seu melhor


Alguns títulos de agitprop no diário da manhã de hoje, jornal presidido pelo Dr. Proença de Carvalho, uma espécie de Mefistófeles do regime:

«Resolução do BES "pode custar muitos milhões aos contribuintes"»

«José Miguel Júdice e a deputada do BE Mariana Mortágua dizem que os contribuintes vão pagar»

Lamentavelmente nenhuma destas luminárias se manifestou sobre quanto vão pagar os contribuintes pela nacionalização do BPN tão celebrada pelo Berloque de Esquerda e não lhes convém perceber que, até ver, é o Fundo de Resolução dos bancos que tem a responsabilidade de suportar a diferença entre o capital injectado no Novo Banco e o valor da venda.

Já agora recorde-se que neste momento da negociação a diferença entre o empréstimo do Estado ao Fundo de Resolução (4,9 mil milhões) e a melhor proposta de compra do Novo Banco (4,2 mil milhões) é de 700 milhões de euros. A nacionalização do BPN que, segundo Teixeira dos Santos, era para custar nada, já vai em 7 mil milhões.

«509 mil desempregados não entram nas contas oficiais. Taxa seria de 22%»

«Há 257 mil inativos e 252 mil trabalhadores em situação de subemprego que não são contabilizados como desempregados pelo INE».

Não são nem nunca foram nem está previsto nos critérios do Eurostat. Se tivessem sido o desemprego que o preso 44 deixou também seria de 22%.

«Estado deve às famílias 19,6 mil milhões. Mais 40% num ano»

Não se assustem, o que a criatura quereria significar é que as famílias estão a poupar mais e a aplicar as suas poupanças em certificados de aforro.

3 comentários:

Anónimo disse...

700 mil ou 700 milhões?

Pertinente disse...

700 milhões. Obrigado pelo reparo.

Anónimo disse...

O esquerdalho no seu melhor, quer a dar notícias, quer a tentar atirar areia para os olhos das pessoas...