Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/12/2021

Pro memoria (418) - Bidenlogia. Cada tiro, cada melro

Joe Biden’s multiemployer pension plan rescue is turning into a political disaster

Programme to provide money for bailouts will start a generational war between active workers and retirees

One of the most touted components of the Biden administration’s $1.9tn American Rescue Plan was a provision to rescue “multiemployer” blue collar union-sponsored pension plans from threatened insolvency. There are about 1,400 of these plans in the US, which cover the retirement benefits for about 10.8m workers.

Now the rescue is turning into a political and financial disaster. It had been known for years that hundreds of these plans have been struggling to meet their obligations to their beneficiaries. The largest of the troubled multiemployer plans, the Teamsters union Central States Pension Fund, covers nearly 400,000 workers and retirees.


It was a case of overpromising and not delivering at all. President Joe Biden and Democratic leaders in Congress vowed to pass the Build Back Better Act (BBB), the administration’s long-stalled signature legislation, by Christmas. Instead they spent December scrambling to salvage it from complete collapse. On December 19th, Senator Joe Manchin, a Democrat from West Virginia and the crucial holdout vote, announced on television that after months of negotiation, “I cannot vote to continue with this piece of legislation… I’ve tried everything humanly possible; I can’t get there.” Whether this is a death knell for the president’s legislative agenda or just a serious setback is still to be litigated. But it is hardly the Christmas present Mr Biden wanted.

29/12/2021

ARTIGO DEFUNTO: Jornalismo económico no Portugal dos Pequeninos

No dia 22 o BdP divulgou a Balança de pagamentos: nota de informação estatística de outubro de 2021  com o seguinte destaque: 

«Em outubro de 2021, o saldo da balança comercial (saldo da balança de bens e serviços) diminuiu 329 milhões de euros em relação ao mês homólogo, dado que a melhoria do excedente da balança de serviços não foi suficiente para compensar o agravamento do défice da balança de bens.»

O Jornal Económico, num artigo que pretendia resumir a nota do BdP, para puxar ao pensamento positivo prantou-lhe o título Excedente externo português aumenta para 1.381 milhões de euros em outubro salientando um excedente que resultou totalmente, como o próprio BdP sublinha, do «recebimento de mais fundos europeus» que nada teve a ver com a balança comercial que se degradou o que é descrito no artigo desta maneira inacreditável:

«A nota do banco central dá ainda conta de uma diminuição do saldo da balança comercial portuguesa em 329 milhões de euros em relação ao mês homólogo, um fenómeno explicado pelo aumento do excedente da balança de serviços

Repare-se que a explicação do jornalista para diminuição do saldo da balança comercial é assim como quem diz que o saldo do conjunto das suas duas contas bancárias diminuiu porque o saldo de uma das contas aumentou.

É assim o jornalismo económico no Portugal dos Pequeninos.

28/12/2021

CASE STUDY: O princípio de Peter atinge um Almirante e os aborígenes padecendo de sebastianismo podem ser vítimas do efeito de halo

Expresso

Já era triste que muitos aborígenes sofram de sebastianismo, é lamentável que um militar que dirigiu capazmente a vacinação (muito ajudado pelo cagaço dos aborígenes) se deslumbre por o terem despromovido a celebridade e poderá ser uma tragédia que um competente comandante de submarinos se imagine talhado para supremo comandante da nação, a não ser que a nação aspire submergir ainda mais.

[Pro memoria
Princípio de Peter - as pessoas num sistema hierárquico são promovidas pelo que fizeram em funções anteriores até um nível em que deixam de ser competentes.  
Efeito de Halo - consiste na avaliação enviesada resultante de projectar em outros domínios uma qualidade real ou imaginária de uma criatura num certo domínio; por exemplo imaginar que um bom comandante de submarinos será um competente presidente da República.]

27/12/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (117) - A Passarola Afundada (IX)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

«Agora é oficial. Vem na primeira página do semanário de reverência»

Segundo as projecções do FMI, a que o Expresso dá destaque, nos vinte e sete anos de 2000 até 2026 o PIB per capita do Portugal dos Pequeninos cairá da 35.ª para a 46.ª posição mundial. Não certamente por acaso, dos 21 anos já decorridos o PS foi governo durante 15 anos.

Vem a propósito referir que foram divulgados os números definitivos do PIB de 2020 confirmando que teve uma queda de 8,4%, a maior desde que o INE foi criado em 1954.

Mas como? se a especialidade do socialismo é subsidiar zombies

O Dr. Centeno desde que saiu do governo para o BdP tem vindo a ter epifanias que nunca o assaltaram durante os quatro anos em que por lá andou a ajudar o Dr. Costa a chegar ao ponto onde estamos. A última dessas epifanias foi a conclusão no relatório de estabilidade financeira de Dezembro do risco de «‘zombificação’ das empresas portuguesas» e a necessidade de dispor de «um processo célere e eficaz que permita que estas saiam do mercado e que os recursos possam ser reafetados a outras atividades». É claro que o Dr. Centeno não descobriu nada de novo, porque isto é algo que vem nos livros desde pelo menos o último quartel do século XVIII, mas dito por um ex-ministro das Finanças Socialistas do Portugal dos Pequeninos pode ser chocante.

A 'zombificação' das empresas públicas a cargo do pedronunismo

Imagino que para o Dr. Pedro Nuno Santos a Óropa é o Dr Jekyll quando abre os cordões à bolsa e o acesso à mineração do guito europeu e o Mr Hyde quando define regras, impõe condições, desaprova fantasias ou verifica medidas. Como agora, com a tentativa de extorsão de dinheiro aos contribuintes para "sanear" a dívida da CP que pelos vistos terá de passar pela aprovação da CE.

Ou como com o plano de reestruturação da TAP aprovado um ano depois com meia dúzia de condições benévolas, que qualquer investidor distraído consideraria insuficientes, serão para o Dr. Pedro Nuno e os seus compagnons de route imposições draconianas, como seja a venda da tralha que os sucessivos governos socialistas atrelaram à TAP, exceptuando a Portugália comprada a pedido do Dr. Ricardo à Espírito Santo Internacional pela TAP no governo do Eng. Sócrates, do qual era ministro o Dr. Costa.

Entre as participadas a vender está a Manutenção & Engenharia comprada à Varig em 2005 com a intermediação do Dr. Lacerda Machado, um amigo do peito do Dr. Costa que também negociou a compra pelo governo da participação de David Neeleman e de seguida entrou na administração da TAP. A venda da Manutenção & Engenharia abre uma nova oportunidade ao Dr. Lacerda Machado.

Estima-se que irão ser enterrados € 3.200.000.000 na TAP dos quais mais 536 milhões já dentro de dias, os quais se somam aos 1.200 milhões enterrados em 2020 e aos 482 milhões em 2021. Seja como for, é apenas uma estimativa a que, com elevada probabilidade, o Dr. Pedro Nuno, se o deixarem, aplicará o multiplicador socialista. Entretanto, o Dr. Pedro Nuno fantasia com uma putativa integração do seu brinquedo num grupo de aviação.

A cremação pública dos zombies privados a cargo do Dr. Siza Vieira

É uma espécie de divisão de tarefas, um trata dos zombies públicos e outro dos privados. A EFACEC ou «Empresa Financeiramente Apoiada Continuamente (pelo) Estado Central» está há um ano e meio a ser vendida pelo Dr. Siza depois de a ter nacionalizado à Dr.ª Isabel dos Santos. Como sempre, era para não custar nada e o nada já vai em 311 milhões, estimativa a que, uma vez mais, se aplicará o multiplicador socialista.

O Dr. Siza já estava em Agosto numa «corrida contrarrelógio para salvar a Dielmar» desistiu depois de lá torrar uns 8 milhões e deixou a coisa entregue ao administrador de insolvência que queria vender pelo mínimo de 384 mil euros e a melhor proposta, porque única, foi de 250 mil.

Com uns quatro centenas de milhões torrados, o Dr. Siza cede irremediavelmente o primeiro lugar ao Dr. Pedro Nuno que entre TAP e CP vai seguramente passar os quatro mil milhões. Por alguma razão o Dr. Pedro Nuno espera suceder ao Dr. Costa, enquanto o Dr. Siza, apesar de amigo do Dr. Costa, só pode aspirar a voltar à Linklaters e fazer uns negócios com um Dr. Pedro Nuno putativo primeiro-ministro.

26/12/2021

CASE STUDY: O legado do Gulag e a lei de Merton

O Gulag, o sistema soviético de campos de concentração e trabalho forçado, por onde passaram durante mais de duas décadas um número estimado de 28 milhões de prisioneiros, dos quais um em cada dez lá morreu ou foi executado, foi uma das maiores atrocidades do comunismo.

No paper Enemies of the people publicado em Setembro, Gerhard Toews e Pierre-Louis Vézina concluíram que da passagem pelo Gulag de «milhões de artistas, engenheiros, gerentes ou professores considerados uma ameaça ao regime soviético apenas por serem a elite educada», representando cerca de um terço dos prisioneiros, passadas seis décadas são visíveis consequências positivas para as regiões onde se situaram as quase cinco centenas de campos do Gulag. Consequências que resultaram de uma boa parte dessa elite ter ficado a residir nas proximidades dos campos quando estes foram fechados nos anos 1956-7. 

É mais um exemplo da lei das consequências inesperadas formulada por Robert Merton, consequências que a maioria das vezes são resultados perversos, mas incluem, por vezes e infelizmente raramente, benefícios imprevistos que têm um preço demasiado elevado.

24/12/2021

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Portugueses no topo do mundo (46) - Afinal não. Os trombetas precipitaram-se. Foi engano

Outros portugueses no topo do mundo.

Durante vários dias, os mídia do Portugal dos Pequeninos celebraram mais um feito que colocaria mais uma empresa portuguesa no topo do mundo, com títulos patrióticos tais como:

Filho do selecionador nacional Fernando Santos compra Euronews

Portuguesa Alpac Capital compra Euronews. Quer apostar em Bruxelas e no digital

"Venture capital" portuguesa compra quase 90% da Euronews

Portugueses da Alpac Capital compram 88% da Euronews

SOCIEDADE PORTUGUESA DE CAPITAL DE RISCO COMPRA CANAL EURONEWS

Portuguesa Alpac Capital compra Euronews. Valores do negócio não foram divulgados mas antecipam-se “fortes” investimentos

Subitamente, tudo mudou. Afinal a portuguesa Alpac já não é portuguesa, é uma empresa com sede em Lisboa que tem como chefe-executivo o «filho de um grande apoiante do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán», o qual é uma persona non grata do jornalismo de causas doméstico. 

Persona non grata sim, porque, como se sabe, o Sr. Orbán é uma personagem maléfica que tenta controlar os mídia húngaros, tal como o Dr. Costa tenta controlar os mídia do Portugal dos Pequeninos, embora com muito menos sucesso malgré tout, isto é, apesar das câmaras de eco plantadas em quase todas as redacções domésticas.

E foi assim que, de repente, a empresa portuguesa bestial a caminho do topo do mundo passou a empresa estrangeira besta, controlada por um inimigo da imprensa livre.

22/12/2021

A arte de bem titular toda a notícia (3) - Um exemplo do semanário de reverência

Semanário de reverência

Um marciano lê o título acima e pensa com os seus botões: que bondoso governo têm estes terráqueos que vai "desagregar" o que um malvado Relvas maldosamente agregou, eliminando centenas de lugares outrora disponíveis para colocar regedores de freguesia que de outro modo ficariam sem empregos. Este bondoso governo, continuaria o marciano a pensar, não apenas pretende repor os empregos eliminados como aumentá-los para o que já foi aprovada a «nova lei-quadro de criação, modificação e extinção destas autarquias».

Como os marcianos e muitos aborígenes se ficam pelo título, não chegam a ler umas linhas abaixo que afinal a maléfica "lei Relvas" foi a «reforma administrativa de 2013, feita pelo Governo PSD/CDS-PP (em particular pelo ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas) e negociada com a 'troika', (que) reduziu as freguesias de 4.259 para as atuais 3.092.» Linhas que, certamente por lapso, não mencionam que a reforma administrativa foi imposta pelo Memorando de Entendimento, negociado pelo governo socialista do Sr. Eng. Sócrates e assinado a 17 de Maio de 2011 como condição para ser emprestado dinheiro para resgatar o país da situação de bancarrota criada pelo citado governo do citado Sr. Eng., do qual fizeram parte vários ministros do actual governo. 

A peça do semanário de reverência esqueceu ainda que o Memorando de Entendimento obrigava a
«3.44. Reorganizar a estrutura da administração local. Existem actualmente 308 municípios e 4.259 freguesias. Até Julho 2012, o Governo desenvolverá um plano de consolidação para reorganizar e reduzir significativamente o número destas entidades. O Governo implementará estes planos baseado num acordo com a CE e o FMI. Estas alterações, que deverão entrar em vigor no próximo ciclo eleitoral local, reforçarão a prestação do serviço público, aumentarão a eficiência e reduzirão custos.» 
A peça também não mencionou que o malvado Relva não teve tomates para fazer o mais importante que era «reduzir significativamente o número» de municípios, que essa, sim, seria uma reforma digna desse nome eliminando municípios com menos população do que bairros de algumas cidades.

É claro que se os marcianos e os aborígenes frequentassem o (Im)pertinências teriam lido vários posts sobre este tema (por exemplo CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: Depois não se queixem) que o outro contribuinte se deu ao trabalho de publicar, poupando assim a este contribuinte o trabalho de publicar o presente.

20/12/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (116) - A Passarola Afundada (VIII)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

A principal fraqueza da teoria de conspiração proposta pelo Dr. Rio é a autoria

Referindo-se à detenção do Dr. Rendeiro depois de vários meses a brincar às escondidas com a justiça portuguesa, detenção amplamente propagandeada em diversos canais pelo director-vedeta da Judite, o Dr. Rio comentou que «o azar de João Rendeiro foi haver eleições em janeiro».

Se à detenção do Dr. Rendeiro, depois do seu mandado internacional ter estacionado 73 dias na PGR, adicionarmos a detenção do Dr. Pinho dos corninhos, dois dias depois, por crimes que tiveram lugar há mais de 10 anos, o comentário do Dr. Rio ganha foros de apropriado.

O costismo paga tributo ao socratismo

Dado o passado da Dr.ª Edite Estrela, amiga do peito, fiel e feroz defensora do Sr. Eng. Sócrates, que o Dr. Costa fui buscar ao sótão do PS para futura presidente do parlamento, o juízo de João Miguel Tavares de considerar a Dr.ª Edite inapropriada ao lugar é neste caso também apropriado.

A corrupção cresce mais depressa do que incham os efectivos da justiça e da polícia

Et pourtant, a despesa per capita com a Justiça está a meio da tabela dos 47 países membros do Conselho da Europa, as custas judiciais estão sete pontos percentuais acima da mediana, há mais juízes e magistrados por 100 mil habitantes do que a mediana e 5 (cinco) vezes mais tribunais de 1.ª instância por 100 mil habitantes (fonte CEPEJ Report). Em cima disso, Portugal é um dos países mais policiados da UE com efectivos por 100 mil habitantes 27% acima da média europeia e nos últimos quatro anos a PJ aumentou em 400 os efectivos de inspectores e no próximo ano serão mais 200.

E com tanto dinheiro desperdiçados em legiões de apparatchiks a fazerem de juízes e de polícias não há recursos, diz o lóbi dessas legiões, para impedir a prescrição dos crimes dos políticos suspeitos no caso da negociação das PPP rodoviárias que envolveram "benefícios" de 3,3 mil milhões e não há dinheiro para pagar aos tradutores judiciais que ficam anos à espera.

Disse «serviços distintos»?

Com um atraso de nove meses em relação à morte do imigrante ucraniano às mãos (e pés) dos agentes do SEF e um atraso de seis em relação ao atropelamento mortal na A6, o demitido ministro da tutela atribuiu medalha de ouro por "serviços distintos" ao SEF. Há quem se indigne sem razão - afinal o SEF, os serviços distintos e o ex-ministro são perfeitamente compatíveis.

19/12/2021

A arte de bem titular toda a notícia (2)

Expresso

Um marciano lê o título acima e pensa com os seus botões: que belo governo têm estes terráqueos que consegue que os produtores das energias renováveis sejam bondosos ajudando as empresas e poupando-lhes uma pipa de massa melhorando assim a vida dos aborígenes.

Como os marcianos e muitos aborígenes se ficam pelo título, não chegam a ler umas linhas abaixo: «Pela primeira vez na história do sistema elétrico nacional, a existência de tarifas garantidas à produção de energias renováveis representará em 2022 um benefício aos consumidores de eletricidade e não um sobrecusto. E o maior beneficiário será a indústria, que (...) ganhará no próximo ano um alívio tarifário superior a €500 milhões associado às rendas aos produtores de renováveis..» 

Dito em português corrente simplificado, os preços de aquisição aos produtores das energias renováveis são fixos, garantidos e têm sido historicamente muito superiores aos das energias convencionais. Com o aumento dos preços do gás e do petróleo a situação inverteu-se porque os custos de produção das energias convencionais aumentaram significativamente e, em consequência, os respectivos custos de aquisição aos produtores ultrapassaram os preços garantidos das energias renováveis. Moral da estória: os produtores de energias renováveis vão continuar a ser pagos aos mesmos preços e como os seus custos de produção não se alteraram porque por não dependerem dos preços do gás e do petróleo manterão as mesmas margens.

18/12/2021

A competência mais notável do governo do Dr. Costa é a propaganda para retardados

«Portugal oferece ajuda à Alemanha para tratar doentes com covid-19

Caso seja aceite, apoio pode passar por receber doentes a precisar de cuidados intensivos ou pelo envio de equipas de profissionais de saúde para aquele país, tal como a Alemanha fez com Portugal no início do ano.»

Fonte

O governo do país do lado esquerdo tem os serviços públicos de saúde em colapso com centenas de milhar de consultas e dezenas de milhar de cirurgias por fazer e com 1.000 infectados internados em hospitais e menos de 150 em UCI diz-se aflito. Esse governo ofereceu-se para "ajudar" o país do lado direito.

16/12/2021

No Portugal dos Pequeninos qualquer criatura que dê conta do recado é um candidato potencial à presidência de qualquer coisa (por exemplo, da República)

Perguntado sobre se teria «a coragem de se candidatar à Presidência da República nas próximas eleições?», o vice-almirante Gouveia e Melo e respondeu prudentemente

«Têm-me aconselhado a dizer que dessa água não beberei, que é uma frase muito forte que não se deve dizer nunca. Tenho uma carreira militar que pretendo continuar. O futuro só a Deus pertence.  (...) Não sou um ator político. Sou um ator que tem uma missão e a única coisa em que tem de estar focado é nessa missão e não estar a pensar no que vai fazer no futuro. O que posso dizer sobre o futuro? É que ele ainda não está realizado e até lá muita coisa pode acontecer». 

Foi o suficiente para uma reacção em cadeia nos jornais a fazer a hermenêutica da declaração, num de dois sentidos: uns, no sentido sebastiânico tão característico do Portugal dos Pequeninos, sempre em busca de um salvador, um homem providencial (*), outros, talvez expressando a preocupação de putativos candidatos, insinuando ambições implicitamente ilegítimas.

(*) Homem providencial? Sim, homem, até agora não foram referidas mulheres providenciais, uma discriminação que a militância feminista deveria combater.

O czar de Todas as Rússias e o Imperador do Novo Império do Meio finalmente juntos

Birds of a Feather Flock Together

15/12/2021

Lincoln, Eisenhower, Ford, Reagan e outros presidentes republicanos devem estar a revirar-se na tumba assistindo à destruição do legado do GOP

«Por exemplo, sabemos agora que o assalto de 6 de janeiro ao Capitólio foi mesmo o resultado de uma teoria da conspiração. Os emails de Hillary ao pé disto são isso mesmo, simples emails, mas tiveram muito mais atenção. A fixação com a covid obscurece a realidade, impede que as pessoas pensem moral e politicamente sobre o mundo.

É claro que a pessoa ou grupo que passa a vida a dizer que vivemos numa teoria da conspiração é de certeza a pessoa ou grupo que põe em prática verdadeiras teorias da conspiração. O trumpismo é uma enorme teoria da conspiração que executa planos conspirativos uns atrás dos outros. Alguns destes planos são passíveis de investigação e condenação. Agora sabemos que o assalto de 6 de janeiro era do óbvio conhecimento de assessores de Trump – até tinham um powerpoint detalhado do que se ia passar. Sabemos ainda que agentes de Kanye West, grande amigo de Trump, pressionaram à la URSS os responsáveis eleitorais da Geórgia.

Descubram por favor estas duas notícias debaixo do entulho covídico e ficam a perceber que o partido republicano, outrora a base do Ocidente, é hoje uma força autoritária e conspirativa que só encontra paralelo nos regimes autoritários. Lermos um livro sobre a RDA é algo estranhamente parecido a lermos um livro ou vermos uma reportagem sobre a atual "direita" americana. Não, lamento, não estou a exagerar. O clima mental criado na direita americana é irrespirável, conspirativo e autoritário; e este vírus político é e continuará a ser mais perigoso do que qualquer emergência de saúde pública.

Como diz David Brooks na Atlantic, o conservadorismo americano, outrora uma rica tradição política, está reduzido à Fox News (ou a plataformas ainda piores), a teorias da conspiração, a um excel obrigatório de ódios (um hábito tão esquerdista) e à supressão de votos através do infame gerrymandering. O que é gerrymandering? Imagine que um partido consegue estar sempre a mudar as fronteiras dos círculos eleitorais em seu próprio benefício – é isto o partido republicano à beira de 2021.»

A verdadeira teoria da conspiração, Henrique Raposo no Expresso

Resta acrescentar que o gerrymandering é uma prática bipartisan e, sobretudo, que o estado patético do Partido Democrata controlado pelo wokeism não faz o estado do Partido Republicano controlado pelo trumpismo deixar de ser patético.

14/12/2021

SERVIÇO PÚBLICO: O regresso da inflação, a abundância de moeda em circulação, a realidade que acabará por se impor e o fim da festa à vista (ó Dr. Costa comece a procurar um lugarzito em Bruxelas)

«Os fatores que podem provocar um aumento de preços são tendencialmente em número infinito. “Se qualquer destes fatores for acompanhado de um aumento da massa monetária, haverá inflação; se tal não acontecer, não poderemos imputar-lhe essa responsabilidade.”

O aumento da massa monetária, ou da moeda em circulação, é o combustível sem o qual o aumento dos preços não poderá ganhar sustentação, acabando por retroceder (com custos, evidentemente, em que não é possível descartar a desaceleração temporária do crescimento económico, no limite, a retração temporária do PIB e do próprio emprego). Ora, como todos sabemos, moeda em circulação é o que o Mundo tem mais, hoje em dia, num processo iniciado há vários anos e intensificado, em larga escala, com o surgimento da pandemia e o aumento das dívidas públicas, financia­das pelos bancos centrais.

A pandemia foi “a cereja em cima do bolo”. Ao mesmo tempo que contraiu a produção e a oferta de bens e serviços, fez aumentar a massa monetária. Durante algum tempo, os detentores desta massa monetária dispuseram-se a pagar (taxas de juro negativas) para continuarem a detê-la, não a gastando. Entenderam ter chegado o momento de começarem a gastá-la. Temos inflação.

Encontramo-nos num momento de grandes decisões. Dando curso à tendência habitual para nos sossegarem, e nos diminuírem, infantilizando-nos, a generalidade dos políticos, alguns governadores de bancos centrais incluídos, dizem-nos que o fenómeno é passageiro, não havendo razões para alarme. Não é verdade. Ou se inicia um processo de retração da massa monetária, começando por subir as taxas de juro, ou a inflação tornar-se-á imparável. Falta decidir, e agir, se a orientação vier a ser a de assegurar a estabilidade dos preços.

À nossa escala, num registo mais prosaico, tivemos uma manifestação exemplar desta “lei de ferro” da Economia. Acompanhou a adoção do salário mínimo em 1974 — implicando um aumento salarial considerabilíssimo, que um grande número de empresas nunca poderia acompanhar e de onde só poderia resultar o encerramento de muitas destas empresas, com consequente retração do produto e do emprego.

É por isso que a imposição do salário mínimo, em 1974, obrigou à publicação não de um mas de três diplomas legais, com poucos dias de distância entre eles. O primeiro decretou o salário mínimo. O segundo decretou que, quando uma empresa não tivesse tesouraria para pagar o salário mínimo, os bancos eram obrigados a financiá-la. O terceiro decretou que, quando os bancos não tivessem tesouraria para proceder a este financiamento, o banco central era obrigado a refinanciá-los. O Banco de Portugal foi obrigado a financiar os bancos, emitindo moeda, para que estes pudessem financiar as empresas, para que estas pudessem pagar o salário mínimo decretado pelo Governo... Sem estes três diplomas, “a maionese não teria prendido” e o salário mínimo teria acabado num decréscimo mais acentuado do PIB do que acabou por ocorrer em 1974 e 1975 e num ainda maior aumento do desemprego.

Não houve desemprego mas houve inflação, reduzindo o salário mínimo, em termos reais, ao que a economia portuguesa podia comportar, nesse momento. A realidade acaba sempre por se impor.»

Excerto de O regresso da inflação, Daniel Bessa no Expresso

13/12/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (115) - A Passarola Afundada (VII)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Sem Custos para o Utilizador, com Custos para os Contribuintes

Durante o consolado do Eng. Guterres, o seu ministro das Obras Públicas Eng. Cravinho inventou as SCUT que segundo ele se pagariam a si próprias através do prodigioso mecanismo do multiplicador socialista. Mais de vinte depois o Ministério Público acordou de um longo sono e acusou dois secretários de Estado do Animal Feroz de terem beneficiado uns dez anos depois de muitos milhões na negociação das concessões rodoviárias e na renegociação das SCUT. A esquerdalhada costuma queixar-se da pesada herança do fascismo, o povo - se não fosse ignaro - deveria queixar-se da pesada herança do socialismo.

Boa Nova

O Dr. Siza Vieira, nos intervalos de anunciar pela enésima vez a venda da EFACEC e da Dielmar, anuncia os amanhãs que cantam que ele ouviu no relatório da OCDE de onde concluiu que Portugal é o país que «mais vai crescer nos próximos anos», no que foi acompanhado por legiões de jornalistas de causas e opinion dealers.

Choque da realidade com a Boa Nova

Infelizmente o relatório da OCDE não parece suportar o entusiamo do Dr. Siza, por várias razões a começar porque o maior crescimento entre 2021 e 2023, por ele anunciado, resulta da segunda maior queda do PIB na OCDE entre 2019 e 2021, e a continuar com as omissões que ele faz que uma simples leitura dos gráficos do relatório permite perceber. Tais como: população a diminuir e a envelhecer, produtividade a crescer pouco, uma das maiores quedas do PIB, turismo pesadamente afectado, condições deterioradas do mercado de trabalho, níveis de actividade e confiança ainda abaixo do nível pré-pandemia, aumento das vulnerabilidades macro-financeiras, declínio do investimento público, elevado desemprego dos jovens, terceiro maior endividamento público da UE, elevado endividamento privado e baixa rentabilidade, etc. Onde a OCDE nos coloca no topo - facto não mencionado pelo Dr. Siza - é na carga fiscal com 1,3% acima da média da OCDE.

Em cima dos 70 milhões em Agosto do ano passado, mais 45 milhões de euros com garantia do Banco de Fomento para a EFACEC nacionalizada por um governo do PS que sucedeu a outro governo do PS que facilitou a entrada de Isabel dos Santos na empresa. É mais uma herança do socialismo.

A Dielmar que ia ser vendida, que já foi vendida, que final ainda não, voltou a estaca zero e foi aberto novo concurso para a compra da marca e dos activos industriais. Se nos lembrarmos que, depois de mais de um ano desta novela, a imagem da marca está pelas ruas da amargura e que os activos industriais estão obsoletos, é prudente não depositar muitas esperança no concurso.

12/12/2021

ACREDITE SE QUISER: Joe Biden dá tiros nos pés (dos pobres e da classe média)

Economist
Uma das medidas do pacote do presidente Biden no campo fiscal diz respeito à chamada dedução SALT («state and local tax») que, adoptada há mais de um século, permitia aos contribuintes americanos deduzir os impostos sobre os imóveis pagos a nível estadual aos impostos sobre o rendimento a nível federal, o que em 2017 custou $370 mil milhões ou quase 2% do PIB. 

Sob a administração Trump foi adoptado um limite anual de $10 mil para essa dedução.

Agora o Partido Democrata pretende aumentar o limite anual de $10 mil para $80 mil, o que além de custar $275 mil milhões nos próximos 5 anos tem um efeito fortemente regressivo, beneficiando quase só 1 em cada mil contribuintes (ver diagrama ao lado).

De modo que um dos resultados do Build Back Better Act, já aprovado na Câmara dos Representantes e em discussão no Senado, que segundo Biden visava melhorar a situação da classe média, pode ser em, vez disso, melhorar a situação dos bilionários, a um custo que é superior à despesa prevista para os subsídios para reduzir a pobreza.

11/12/2021

A arte de bem titular toda a notícia

Eco

Um marciano lê o título acima e pensa com os seus botões: que belo governo têm estes terráqueos que faz reformas estruturais, frequentemente com efeitos negativos de curto prazo, e ainda assim melhora a vida dos aborígenes.   

Como os marcianos e os aborígenes se ficam pelo título, não chegam a ler umas linhas abaixo: «se fossem implementadas apenas quatro reformas estruturais em Portugal.». Se, um grande SE.

DIÁLOGOS DE PLUTÃO: Ó pai está-me a apetecer fumar um cigarro

Pai! Está-me a apetecer fumar um cigarro.

Não podes, filhe. É proibido. Além disso, não é pai que se diz, é progenitor, ou nãe.

Está bem ó nãe, mas proibido porquê?

Ora, porque faz mal e o governo fez uma lei a proibir. 

Ó nãe que chatice! O que tem o governo com isso?

Elus proibiram para teu bem. Deixa lá, sempre podes fumar uma ganza.

?

Ou mudar de sexo...

Diálogo entre um progenitor neozelandês e o seu filhe do género masculino.

[Bibliografia: Guia para “Linguagem Neutra” (PT-BR)]

10/12/2021

Não estou seguro para que serve um jornalista, mas estou certo para o que não devia servir

Um jornalista não é pago para ser uma madre teresa de calcutá ou para salvar o mundo. Devia ser pago para produzir notícias objectivas com factos e independência, embora saibamos que, em muitos casos, é pago para servir de câmara de eco ou fazer agitprop.

[Pensamento que me ocorreu depois de ler hoje (mas podia ser outro dia qualquer) várias newsletters e de passar os olhos por uma dezena de jornais] 

09/12/2021

De boas intenções está o inferno cheio (57) – A religião é a política por outros meios? (XXIV)

Outros posts sobre a religião como a política por outros meios.

Advertência: não sou fã do papa Francisco; emanam dele vapores de teologia da libertação (ou teologia da submissão ao totalitarismo) que um agnóstico e adepto de a César o que é de César e a Deus o que é de Deus, como este escriba, não aprecia.

Feito o aviso, passo a comentar a reacção indignada de Francisco a mais um manual totalitário de «linguagem inclusiva», neste caso produzido pela comissária europeia para a Igualdade, Helena Dalli, que entre outras tolices pretendia suprimir a palavra «Natal» substituindo-a por «festividades». Francisco não poupou nos adjectivos e para condenar a ideia não hesitou em evocar as ditaduras nazi e comunista.

Aplaudo a crítica papal e até a evocação de ditaduras, porque é disso que se trata. Feito o aplauso, evoco o silêncio papal de 8 anos perante dictatus emitidos dia sim, dia não, pelos mais variados grémios da polícia do woke, do politicamente correcto, da identidade do género e congéneres por esse mundo, silêncio só agora quebrado a propósito do Natal.

E acrescento que o silêncio seguido de indignação papal também evocou no meu espírito as palavras do pastor luterano alemão Martin Niemöller, contemporâneo de Hitler, que começou por simpatizar com o nazismo, arrependeu-se amargamente e acabou a denunciá-lo, penalizando-se assim pela inacção: 
Quando os nazis vieram buscar os comunistas, eu fiquei em silêncio; eu não era comunista.
Quando eles prenderam os sociais-democratas, eu fiquei em silêncio; eu não era um social-democrata.
Quando eles vieram buscar os sindicalistas, eu não disse nada; eu não era um sindicalista.
Quando eles buscaram os judeus, eu fiquei em silêncio; eu não era um judeu.
Quando eles me vieram buscar, já não havia ninguém que pudesse protestar.

07/12/2021

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: O ministro da Economia não poupa nas palavras

Secção Insultos à inteligência

Durante o  Congresso da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo na passada sexta-feira, o ministro da Economia Dr. Siza Vieira partilhou com os participantes o seguinte pensamento:

«Eu acho mesmo que a TAP é, provavelmente, uma das empresas mais críticas para o nosso futuro coletivo. Assumo isso claramente. Mas também não vale a pena ter um novo aeroporto significativo sem a TAP (...) o movimento aeroportuário cresceu em Lisboa porque a TAP cresceu. O crescimento da TAP motivou outros operadores a virem para Portugal». 

Sabendo-se que dos 60 milhões de passageiros (Pordata) que passaram pelos aeroportos portugueses em 2019 menos de 30% (17 milhões), com percentagens muito menores no Porto e Faro, viajaram pela TAP, ao postular que o crescimento do movimento aeroportuário cresceu pelo crescimento da TAP, o Dr. Siza Vieira ganha o direito a 5 (cinco) chateaubriands, um prémio inspirado no visconde e escritor François-René de Chateaubriand que abençoou, ou poderia ter abençoado se lhe tivesse ocorrido, a divina providência por fazer passar os rios pelo meio das cidades.

06/12/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (114) - A Passarola Afundada (VI continuação)

 Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias


[Continuação daqui

Boa Nova

A ministra da Coesão Territorial apresenta periodicamente uma prova da vida, geralmente através da Tass Lusitana ou do Avante da Sonae, como agora, em que a peça mostra a ministra com um ar alucinado de quem teve uma epifania a anunciar mini Lojas do Cidadão em metade das freguesias até... 2030. Anúncio que, só por si, é um paradigma do ilusionismo que o Dr. Costa instilou no seu governo. Uma ministra que deve ter dois meses de vida anuncia uma obra para os próximos nove anos.

O modelo de propagação da Boa Nova é sempre o mesmo: a Tass Lusitana ou um jornal amigo faz o anúncio que de seguida é replicado pelos outros jornais. Outro exemplo da semana passada foi o anúncio de que a Idade da reforma pode regressar aos 66 anos de Passos Coelho e da troika, regresso que é uma consequência automática prevista no regime da SS da redução da esperança de vida, resultante do excesso de mortalidade associado à pandemia, mas é apresentado como se fosse uma medida benevolente de um governo bondoso em contraste com a medida maléfica do governo de Passos Coelho ao serviço da troika, uma instituição sinistra que apareceu cá por via do resgate - por acaso, não mencionado, uma obra de outro governo do PS.

Choque da realidade com a Boa Nova

Pela enésima vez, a venda da Efacec e da Dielmar foram sucessivamente a anunciadas e adiadas.

Anunciado em 2018 pelo Dr. Costa e aprovado um ano e meio depois, o programa Chave na Mão - Programa de Mobilidade Habitacional para a Coesão Territorial, simplesmente desapareceu do espaço mediático submergido por vários outros programas anunciados para resolver o problema da habitação, todos eles igualmente meros instrumentos de propaganda sem impacto real.

Sustentabilidade da Segurança Social? Resolve-se com o ilusionismo socialista

Mais um estudo (Riscos orçamentais e sustentabilidade das finanças públicas), desta vez do Conselho das Finanças Públicas, mostra que a sustentabilidade da segurança social não será possível sem uma reforma profunda. A isto responde a respectiva ministra que a coisa se resolve com a «diversificação de fonte de financiamento», solução que é equivalente ao ministro das Finanças declarar que o problema do défice orçamental se resolve aumentando os impostos.

Ineficiente, sempre. Ineficaz quando possível

Das 4,4 milhões de doses de vacinas que o governo anunciou doar aos países africanos de língua portuguesa e a Timor-Leste até agora só foram entregues 1,9 milhões.

De volta ao velho normal

Até Outubro os novos empréstimos para compra de habitação atingiram 12,4 mil milhões, ultrapassando o máximo atingido em 2007 nas vésperas da crise.

Expandindo a freguesia eleitoral

Depois de ter adicionado em seis anos 72,2 mil novos funcionários públicos, o governo do Dr. Costa ainda vai precisar de recrutar mais 1.300 para tratar da secretaria da torrefacção dos 16,6 mil milhões da bazuca. Bem pode o Dr. Centeno, ex-ministro das Finanças que garantiu que a despesa permanente resultante da redução do horário de 40 para 35 horas não tinha impacto orçamental, vir agora clamar do seu posto no BdP que «o país tem uma janela temporal, que avalio entre dois a três anos, para reverter o aumento da despesa permanente».

Segundo a avaliação do Sistema Nacional de Garantia Mútua estão em alto risco de incumprimento mais de mil milhões de euros de garantias públicas a empresas no âmbito das medidas Covid-19.

O endividamento das PME que geram 60% do VAB e 80% do emprego atingiu o máximo desde a crise de 2008 e representa 65% do total das empresas privadas.

05/12/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (114) - A Passarola Afundada (VI)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Ele era «só um passageiro» e «a viatura foi vítima de um acidente»

Depois de seis meses de mentiras, meias-verdades e ocultação da verdade, o Dr. Cabrita, amigo do Dr. Costa e ministro, por esta ordem, demitiu-se não por ter reconhecido as suas responsabilidades políticas no acidente mas para evitar o «aproveitamento político» para «condicionar a atuação do Governo», António Costa «ou mesmo o Partido Socialista». Aliás, a fórmula que usou para descrever o que se passou diz muito sobre a criatura: «a viatura que me transportava foi vítima de um acidente» - a viatura foi vítima, disse ele.

Situação de calamidade é o que o governo quiser

As medidas aprovadas pelo governo pela Resolução 157/2021 no quadro da pandemia «para além do seu duvidoso enquadramento na lei correspondem na prática a um verdadeiro estado de excepção», segundo o professor Luís Menezes Leitão que sabe do que escreve.

Socialistas fazem uma salva de "benefícios" com vista às eleições


Cada um usa o que pode. Comunistas fazem uma salva de greves com vista às eleições

Tentando recuperar do desastre eleitoral anunciado, depois de seis anos de conúbio com o PS, os comunistas utilizam o que lhes resta de influência sindical com uma salva de greves: transportadores rodoviários, trabalhadores dos impostos, Metro do Porto.

Take Another Plan

A reestruturação da TAP segundo o plano do Dr. Pedro Nuno Santos, líder do pedronunismo, uma variante do berloquismo, e putativo sucessor do Dr. Costa, continua encalhada em Bruxelas. Entretanto, já foram torrados 1.600 milhões, parte dos 3.700 milhões previstos.

Chegados aqui, é impossível não comparar o que o Dr. Pedro Nuno está a fazer na TAP (17 milhões de passageiros em 2019) com o que foi feito na Lufthansa (145 milhões de passageiros em 2019) a quem o governo alemão financiou com 3,8 mil milhões que em Novembro já tinham sido integralmente reembolsados.

«A educação é a nossa paixão»

Foi sob este mantra, enunciado pelo Eng. Guterres e retomado pelo Dr. Costa, que os governos socialistas fizeram a obra retratada no estudo Estudantes Nacionais e Internacionais no Acesso ao Ensino Superior, das universidades do Porto e do Minho para a fundação EDULOG, que mostra como o motor principal do elevador social foi avariado por gente que se baba a falar do ensino público e inscreve os seus filhos no ensino privado.

«Em defesa do SNS, sempre» ou a maldição das paixões socialistas


Não obstante os 400 milhões gastos até Setembro em horas extraordinárias e contratação de prestação de serviços, os Centros de Saúde estão a rejeitar novas inscrições por falta de recursos (recorde-se que estão quase um milhão de "utentes" sem médico de família) e também por falta de recursos não existem dados fidedignos de VIH de 2020 e 2021.

A família socialista é muito unida

Quereis uma prova irrefutável da coesão da família socialista? Tomai o exemplo do ex-presidente da Câmara do Cartaxo que, derrotado nas últimas eleições há dois meses, foi nomeado assessor do Dr. Costa duas semanas depois do anúncio da dissolução do parlamento.

O empreendedorismo socialista vai disparar a bazuca

Fica-se com uma ideia do que seja a "iniciativa privada" sob a égide do Estado sucial quando se sabe que se apresentaram ao concurso de torrefacção dos 14,8 mil milhões de euros do donativo dos contribuintes europeus 144 consórcios dos quais 64 foram seleccionados por uns apparatchiks com emprego vitalício que nunca criaram um posto de trabalho nem investiram um pataco, nem mesmo num triciclo para vender castanhas assadas.

(Continua)

Também no Novo Império do Meio o passado é mais imprevisível do que o futuro


Tal como na URSS (e na Rússia actual), também na China o passado é talvez mais imprevisível do que o futuro, ou pelo menos o que se pretende que o futuro venha a ser. O texto seguinte (Xi Jinping is rewriting history to justify his rule for years to come) publicado antes da reunião anual de 8 de Novembro do Comité Central do PC chinês descreve os bastidores da preparação de uma resolução sobre a história do partido que veio, sem surpresa, a ser aprovada, confirmando as teses oficiais sobre o passado e, portanto, sobre o que se espera venha a ser o futuro.

«Os predecessores de Xi usaram a história de maneira diferente em suas resoluções. Em 1945, Mao justificou um expurgo de seus inimigos, culpando-os pelos erros do passado para que pudesse se posicionar como o líder inquestionável. Em 1981, a resolução de Deng dizia que Mao havia cometido erros graves e que a Revolução Cultural de 1966-76 havia sido um “grave erro crasso”, causando o caos. Ao criticar Mao, embora com cautela, Deng reconstruiu o apoio público ao partido e liberou sua mão para buscar reformas de livre mercado.

Mas a história apresenta um desafio diferente para o Sr. Xi. Na ala esquerda do partido estão os neo-maoístas que há muito tempo lutam pela restauração de seu herói e criticam Deng, a quem culpam por problemas como corrupção e desigualdade. À direita estão aqueles que se preocupam (de forma muito privada) que a China esteja recuando para uma ditadura ao estilo de Mao e perdendo seu compromisso com as reformas de Deng.

O Sr. Xi declarou que nem Mao nem Deng devem ser usados ​​para “negar” o outro. Ele não quer uma história cheia de erros e contradições, nem que levante questões sobre o governo de um homem só. Ele acredita que o colapso da União Soviética foi acelerado por uma falha em proteger os legados de Lenin e Stalin. Ele fez uma campanha vigorosa contra o “niilismo histórico” - essencialmente qualquer coisa que leve o passado do partido a uma luz desfavorável. Tomes que escavam os piores erros de Mao, antes tolerados, agora estão fortemente desencorajados.

Uma nova história oficial do partido, publicada em fevereiro, dá uma ideia da abordagem preferida de Xi. Ele aborda apenas brevemente a Revolução Cultural. Não menciona a fome causada pelo Grande Salto para Frente que matou dezenas de milhões, nem quaisquer baixas no esmagamento dos protestos pró-democracia na Praça Tiananmen em 1989. A seção sobre o mandato de Xi ocupa mais de um quarto do livro. Os predecessores de Xi, Hu Jintao e Jiang Zemin, têm muito menos espaço.

A nova resolução irá sugerir que a China precisa do Sr. Xi para cumprir metas de longo prazo, como transformar o país em uma "nação socialista moderna" até 2035 e uma "próspera" e "forte" em 2049, o 100º aniversário da Republica de pessoas. Provavelmente mencionará sua campanha de “prosperidade comum” para reduzir a desigualdade e sua estratégia de “circulação dupla” para tornar a economia mais resistente a choques externos como a pandemia e disputas comerciais com os Estados Unidos. Espera-se que descreva um ambiente internacional sombrio, embora a América e seus aliados possam não ter seus nomes citados. E provavelmente repetirá a linguagem ritual do partido sobre Taiwan, dizendo que deve se reunir com o continente. O fracasso da China em retomar Taiwan tem sido um ponto sensível para todos os líderes desde Mao. A resolução certamente mencionará o apelo do Sr. Xi para o "grande renascimento da nação chinesa" até 2049, o que sugere que ele visa garantir a reunificação antes disso. Uma promessa específica é improvável.

Antecipando o plenário, o aparato de propaganda começou a produzir artigos bajuladores sobre a sabedoria de Xi, esperando, ao que parece, fomentar o entusiasmo pela idéia de que ele continuará governando. Em 1º de novembro, o People's Daily , porta-voz do partido, começou a publicar uma série de editoriais com o título “Decisões cruciais na nova era”. Eles elogiam as conquistas do partido desde que foi fundado em 1921 e elogiam as contribuições de Xi para eles. Do ponto de vista de Xi, a resolução “não só precisa olhar para o passado, mas também para o futuro”, diz Joseph Fewsmith, da Boston University. E de acordo com o Sr. Fewsmith, o Sr. Xi pensa: “O futuro, c'est moi ”

04/12/2021

Pro memoria (416) - Depois não digam que não foram avisados

Segundo o Macroeconomic Imbalance Procedure Scoreboard da Comissão Europeia, Portugal é o segundo país da União Europeia, ex aequo com a Grécia e a seguir à Espanha, com mais desequilíbrios macroeconómicos, com sete em catorze possíveis, incluindo a dívida pública onde nos situamos em terceiro lugar. 

Passado esta conjuntura excepcional em que os nossos benfeitores estão preocupados com a pandemia e abriram os cordões à bolsa como se não houvesse amanhã, quando as vacas emagrecerem, e as vacas sempre acabam por emagrecer, e os governos desses benfeitores se virem sob pressão da opinião pública para reduzirem os fundos para os PIGS, o governo do Dr. Costa já se terá posto ao fresco deixando o ónus para o que se seguir.

03/12/2021

Quem anda à chuva molha-se, a menos que tenha um chapéu de chuva

Incidência de VIH em Lisboa é quase o “triplo da média europeia”

A incidência da infeção por VIH em Lisboa é de “quase 50 pessoas por 100 mil habitantes por ano, um valor cinco vezes superior à média portuguesa, que já é entre o dobro e o triplo da média europeia”, alerta o presidente do GAT – Grupo Ativistas em Tratamentos.»

É um facto perfeitamente estabelecido que a transmissão do VIH se faz principalmente por via do sexo com um individuo infectado ou do uso de seringas infectadas para injectar drogas, pelo que os grupos de risco são gays e indivíduos dependentes de drogas injectáveis. É claro que os indivíduos heterossexuais também contraem VIH mas numa percentagem muito inferior à dos gays, que é mais elevada por várias razões comportamentais conhecidas.

Já agora e entre parêntesis registe-se o absurdo da comunidade gay, chamemos-lhe assim, considerar que tem um direito de doar sangue que, com uma probabilidade muito mais elevada do que nos heterossexuais, pode estar infectado com VHI, ao mesmo tempo que desconsidera o direito de um receptor não ser colocado desnecessariamente em risco de infecção.

Voltando à incidência de VIH em Lisboa, que o título da notícia diz ser quase o triplo da média europeia mas que do texto resulta ser 10 e 15 vezes superior à média europeia, temos de concluir que explicação mais plausível é Lisboa se ter tornado uma espécie de capital gay.

02/12/2021

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Portugueses no topo do mundo (45) - No topo e nos pés

Outros portugueses no topo do mundo.


Desta vez é a exaltação dos sapatos usados por Alexia Putellas, na cerimónia de entrega da Bola de Ouro de futebol feminino que inspirou aquele título celebratório.

Mais um exemplo da razão que assistiu a Eduardo Lourenço quando escreveu que «os Portugueses vivem em permanente representação, tão obsessivo é neles o sentimento de fragilidade íntima inconsciente e a correspondente vontade de a compensar com o desejo de fazer boa figura, a título pessoal ou colectivo.»

Para quem ande distraído e imagine que isto é um caso isolado, remeto para as duas dezenas de exemplos recentes que inventariei.

Mergulhados nesta atmosfera doentia de complexos de inferioridade, duvido que a maioria dos aborígenes se aperceba do ridículo deste tipo de notícias que é comparável aos jornais italianos exaltarem as calcinhas Intimissimi que a bela Alexia poderia ter usado na cerimónia.

01/12/2021

NÓS VISTOS POR ELES: A avaria da geringonça vista pela Economist ou de como a relevância da irrelevância pode voltar a ser irrelevante


«In Europe, parties can be tiny but still influential. Christian Democrats found themselves supporting decidedly unChristian ideals due to panic about those to their right. Crackdowns on asylum-seekers and cuts to welfare budgets were triggered by parties that mustered barely a tenth of the vote. The same logic works for the far left. In an age of fragmentation, any party that can win even 5% of the vote becomes relevant. Take Portugal. Antonio Costa, the Socialist but still centre-left prime minister, relied on both the Portuguese Communist Party and the Left Bloc to remain in office.

Parties do not always use this power well. The communists voted against Mr Costa’s budget, leaving elections likely early next year. It was an odd decision. The budget was stuffed with lefty spending pledges, such as increased pensions and free child care. Now the leftist parties face losses in an election, the polls suggest. Such cock-ups are common. In the Czech Republic, the Communist Party of Bohemia and Moravia opted to support Andrej Babis, a billionaire, as prime minister. Three years later, the party was kicked out of parliament for the first time since 1948.»

Lido aqui

30/11/2021

De volta à Covid-19. Colocando a ameaça em perspectiva (52) - A conclusão mais importante dos estudos publicados sobre a eficácia das máscaras é que não nos permitem concluir nada

Este post faz parte da série De volta à Covid-19. Colocando a ameaça em perspectiva.

Do face masks halve the risk of Covid? A note on the evidence

By Professor Simon Wood

«Lost of the trouble in life comes from misunderstanding’ as Willy Loman said in Oscar Wilde’s masterpiece An Inspector Calls. Grating isn’t it? But also a reasonable facsimile of how science reporting often reads, at least to those of us self identifying as scientists. Pre-Covid it was so. With Covid the problem has become, well, an epidemic. Recent reporting about the efficacy of masks is a classic case in point.

You might remember the study in question: it certainly made headlines when it came out. 'Mask-wearing cuts Covid incidence by 53%, says global study', stated the Guardian: 'results from more than 30 studies from around the world were analysed in detail'. The New Scientist agreed: 'Covid-19 news: Mask wearing cuts infections by 53 per cent', but instead referenced a greater number of evidence bases: 'using data from 72 studies'. A more cautious Times reported the same results as 'Masks more effective than distancing and handwashing'. It goes for 'more than 30 studies from around the world' which 'were analysed in detail'. Bloomberg claimed 'Masks Cut Covid Risk in Half', now based on a far-lower number: eight studies.

Let’s leave aside the nitpicking details (infections and risk are not the same thing, for example) — surely these reports are usefully communicating the gist of the new evidence, are they not? I’m afraid not.

The BMJ paper at the centre of these reports is a meta-analysis. That is to say: a summary, an attempt to combine the evidence contained in several scientific studies to arrive at an objective assessment of the state of knowledge on a topic.

The analysis identified 72 studies that might potentially have provided evidence on the effectiveness of masks, social distancing and hand washing. Of those, just six (not eight, 30 or 72) were sufficiently relevant — and of sufficient quality — that they could provide any useful information on mask efficacy. And how reliable were the six? Four were assessed to have a moderate risk of bias, and two to have a serious or critical risk.

Let’s start with the moderate four.

29/11/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (113) - A Passarola Afundada (V)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Os amanhãs que cantam do Dr. Costa

O resultado das eleições de sábado do PSD é uma demonstração que o Dr. Costa não brinca em serviço quando está em causa a sua cabeça. Apostou todas as fichas, colocou a máquina mediática ao serviço da continuidade do Dr. Rio e ganhou. Tem agora a garantia que, mesmo sem uma maioria provavelmente fora do seu alcance, desembaraçado dos restos do naufrágio da geringonça, terá condições para navegar à bolina do PS-D no novo mandato e desembarcar a tempo das eleições presidenciais de 2026. Melhor é impossível.

Mais uma factura atrasada da geringonça

O desmantelamento da PPP do Hospital de Braga, por razões ideológicas para pacificar o berloquismo do BE, o pedronunismo do PS e os encalhados do PCP, traduziu-se num agravamento de 60 milhões (39%) dos custos e provavelmente terá como consequência uma redução da qualidade dos serviços.

«Em defesa do SNS, sempre»

Como habitualmente, mais demissões nos hospitais. Desta foram os chefes da urgência cirúrgica do Hospital de Santa Maria. Desde o fim da proibição de saída do SNS em Maio, despediram-se mais de 400 médicos.

Confrontada com o colapso, a ministra do SNS chuta para o lado e insinua que o problema está na falta de «resiliência» dos profissionais, o que até poderá ser um dos problemas, mas não certamente o principal. Perante a revolta corporativa, picada por S. Ex.ª, que não perde uma oportunidade para garantir que os portugueses são os melhores dos melhores, a ministra pediu desculpa duas vezes.

Take Another Plan

Em resposta aos voos da TAP para a Madeira que custam em média uns mil euros, a Ryanair oferece 350 mil lugares em 10 rotas para a Madeira em 2022, empurrando a TAP para o terceiro lugar na região atrás das duas low cost.

Temos assim a garantia de continuidade dos prejuízos da TAP, que até Setembro atingiram 628 milhões, e de que o Dr. Pedro Nuno continuará a extorquir-nos injecções de fundos à pala da sua candidatura a cacique do PS.

O Big Brother apoderou-se do Banco de Portugal

A partir de 1 de Março todos os empréstimos contratualizados de qualquer montante e envolvendo quaisquer entidades, particulares (incluindo entre familiares) ou empresas, terão de ser comunicados ao BdP que criará uma base de dados. O pretexto: «prevenção e combate à atividade financeira não autorizada e proteção dos consumidores».