Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/12/2021

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: O ministro da Economia não poupa nas palavras

Secção Insultos à inteligência

Durante o  Congresso da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo na passada sexta-feira, o ministro da Economia Dr. Siza Vieira partilhou com os participantes o seguinte pensamento:

«Eu acho mesmo que a TAP é, provavelmente, uma das empresas mais críticas para o nosso futuro coletivo. Assumo isso claramente. Mas também não vale a pena ter um novo aeroporto significativo sem a TAP (...) o movimento aeroportuário cresceu em Lisboa porque a TAP cresceu. O crescimento da TAP motivou outros operadores a virem para Portugal». 

Sabendo-se que dos 60 milhões de passageiros (Pordata) que passaram pelos aeroportos portugueses em 2019 menos de 30% (17 milhões), com percentagens muito menores no Porto e Faro, viajaram pela TAP, ao postular que o crescimento do movimento aeroportuário cresceu pelo crescimento da TAP, o Dr. Siza Vieira ganha o direito a 5 (cinco) chateaubriands, um prémio inspirado no visconde e escritor François-René de Chateaubriand que abençoou, ou poderia ter abençoado se lhe tivesse ocorrido, a divina providência por fazer passar os rios pelo meio das cidades.

Sem comentários: