Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/04/2021

A lei de Paretto na pandemia: 80% das mortes ocorrem em 20% da população, mas isso não interessa nada e confina-se toda a gente (2)

Um grande número de hospitais, médicos, seguradores, farmácias e fornecedores de dados reuniu 5 mil milhões de registos médicos relativos a 104 milhões de americanos e criou o Covid-19 Research Database e autorizando a Economist a ter acesso a esses dados.

Fonte

Os resultados da análise estatística dessa imensidão de informação estão representados no diagrama acima que mostra claramente que a idade e o sexo são os factores determinantes no risco de letalidade por Covid (representado a vermelho), como o post anterior já tinha ilustrado relativamente a Portugal e Inglaterra. Contudo, as comorbilidades - as doenças preexistentes - constituem outro facto importante que agrava o risco de morte sobretudo a partir dos 60 anos. 

Já quando à gravidade medida pelo risco de hospitalização (representado a preto), a idade continua a ser um factor decisivo, coexistindo porém com uma interacção mais complexa de vários factores relacionados com as comorbilidades. 

Uma vez mais, a lei de Paretto (*): 80% das mortes e das hospitalizações ocorrem nos 20% mais velhos e mais doentes.

(*) Evidentemente que a lei de Paretto é inferência empírica (com um suporte na curva de Gauss da distribuição normal) e não uma lei científica. É uma simplificação que ajuda a focar os factores importantes mas pode ser uma simplificação grosseira.

17/04/2021

ARTIGO DE DEFUNTO: É preciso um grande descaramento

À esquerda recorte da 1.ª página do CP do Expresso de 17-04; à direita evolução da Carga Fiscal nos últimos 25 anos

Como se sabe, o aumento em 2011-2012 do IRS e de outros impostos resultou das condições do resgate negociadas pelo governo socialista de José Sócrates, no quadro da bancarrota. Desde que tomou posse no final de 2015, o governo do Dr. Costa anunciou o fim da austeridade e desde então a carga fiscal não parou de aumentar. Nestas circunstância, teria sido um enorme descaramento se o Dr. Leão tivesse dito que «recusa descer IRS que Gaspar aumentou» como o Expresso insinua que tenha dito.

Na verdade, o Dr. Leão não disse que recusa descer o IRS e não disse que Gaspar o tenha aumentado. Embora tenha dito outras coisas que pressupõem descaramento, neste caso em particular o grande descaramento é do Expresso que faz uma chamada na 1.ª página tentando manipular subliminarmente o córtex dos leitores, chutando o odioso para cima do governo PSD-CDS e limpando a folha do governo socialista. Ao fazê-lo, o semanário de reverência mostra-se, uma vez mais, uma espécie de Acção Socialista à paisana.

É claro que têm de ser curvar. Um governo pedinte faz um país de pedintes com deputados pedintes e é próprio dos pedintes curvarem-se

«Quando cerca de 40 jornalistas da televisão e rádio de Macau (TDM) foram informados, sob a forma de nove medidas específicas, que a censura tinha sido oficializada, reagiram corajosamente. A Comissão dos Negócios Estrangeiros da Assembleia da República curvou-se despudoradamente perante o Governo da China, desmentindo que houvesse censura, como se dezenas de jornalistas tivessem tido uma alucinação colectiva. Com um par de excepções, é difícil dizer qual dos deputados desceu mais fundo.

Quando os deputados se curvam perante a China, Jorge Menezes no Público

Porque não haveriam os deputados de curvar-se perante um dos maiores investidores em Portugal se o Dr.  Costa e o Dr Marcelo deram o exemplo e S. Ex.ª chegou a babar-se perante o Imperador do Novo Império do Meio (por falar na baba, por onde anda o vídeo censurado?).

15/04/2021

Um exercício de ética republicana. O departamento de marketing do PS tem representantes em todas as redacções

Como qualquer sujeito passivo, no sentido fiscal, que não seja passivo no sentido sociopolítico, deveria saber, o governo do Dr. Costa faz em relação ao IRS o que todos os outros têm feito, ou seja, fixa as taxas de retenção em níveis mais altos do que o necessário para adiantar a colecta e o dinheiro ficar do lado de lá desde Fevereiro. Há apenas duas diferenças do governo do Dr. Costa em relação aos que o precederam, a saber:

  1. Abusa da receita de antecipar a extorsão do IRS, de onde necessariamente os reembolsos atingem valores mais elevados, e
  2. Insulta a inteligência dos portugueses (isto é, daqueles que não são estúpidos) e faz durante vários meses uma intensa campanha noticiosa a anunciar os reembolsos de IRS, como se fosse uma dádiva do PS.
Esta campanha noticiosa é levada a cabo com a prestimosa colaboração de dezenas de jornalistas que polvilham todos os dias os jornais online com dezenas de anúncios. Anúncios que nos dois ou três meses que dura o circo superam 50 mil "notícias" como se pode ver na pesquisa abaixo. Muitas dessas "notícias" são ilustradas com a respectiva foto do respectivo secretário de Estado, .

Pesquisa

E daí, perguntarão? Daí que o governo do Dr. Costa, além de extorsionário, manipula escandalosamente os mídia, daí que os mídia estejam ocupados por legiões de jornalistas serventuários deste governo (e muitos deles provavelmente serventuários de qualquer outro governo) que publicam obediente e repetidamente as coisas mais estúpidas que os assessores de comunicação lhes põem nas mãos, daí que a comentadoria não faça a menor alusão a estas campanhas de manipulação, daí que ao povo ignaro tudo isto lhe passe ao lado.

Como atrasar irremediavelmente o plano de vacinação? Resposta: um dia de cada vez (40) - Estando o céu fora do alcance, só pode escolher-se entre os purgatórios

Média diária desde o início da vacinação em 27-12-2020; 70% da população vacinada no final de Setembro; 100 mil pessoas incluindo "privados"; maiores de 60 anos vacinados na primeira semana de Junho 

Lamento, mas não há nada de novo a dizer sobre o andamento do plano de vacinação. O tecto da média móvel diária semanal parece encalhado nos 40 mil e picos. Até o anúncio de sucessivos objectivos é apenas mais do mesmo. O mais recente é concluir a vacinação dos maiores de 60 anos na primeira semana de Junho.

Poucos dias depois de anunciada a compra das vacinas Johnson & Johnson de uma só dose, a FDA americana decidiu suspender a sua administração por terem sido registados algumas reacções adversas. A task force do Sr. Almirante garantiu que o atraso da chegada desta vacina não alteraria o plano português, o que é uma garantia curiosa porque, tal como vem sendo executado, o plano português só estará concluído nas calendas gregas.

14/04/2021

Dúvidas (305) - Terá o Expresso informação privilegiada sobre a vacinação?

Em cima site da DGS de cujos dados oficiais resulta uma média diária dos últimos 7 dias de 41.978 doses; em baixo Expresso com números e média diferentes (em ambos os casos às 21:10 do dia 14-04)

Dúvidas (304) - Porque escrevem os jornalistas tantas mentiras?

«Por que o Brasil é hoje o pior país do mundo na pandemia?»

Não, o Brasil não é o pior pais do mundo na pandemia. O Brasil de Bolsonaro é apenas o 41.º país em número de casos por milhão, bem atrás de Portugal do Dr. Costa (17.º), da Bélgica (18.º), Espanha (27.º) e até dos EUA de Biden, e é o 15.º país em número de mortos por milhão, atrás da Bélgica (9.º) , Itália (12.º) e quase ex aequo com o Portugal do Dr. Costa e os EUA de Biden. 

Alguém do PS está a tentar pôr a cabeça de fora da fossa séptica socialista

«Medina quebra silêncio do PS: comportamento de Sócrates "corrói o funcionamento da nossa vida democrática" »

Este blogue tem sido particularmente crítico deste putativo sucessor do Dr. Costa, não obstante, e por isso mesmo, estamos à vontade para registar algo de original entre os novos situacionistas que mantêm o prudente silêncio dos merdosos medrosos.

O Partido Socialista apodreceu e com ele apodreceu a 3.ª República

 «Esta foi a palavra mais ouvida na sexta-feira. O negócio da PT prescreveu, o negócio da Oi prescreveu, o negócio de Vale do Lobo prescreveu, os negócios do grupo Lena prescreveram. A palavra "prescrição" surge 305 vezes na decisão instrutória do juiz Ivo Rosa. Eis a pergunta fatal: porque é que aqueles crimes prescreveram? Rosário Teixeira enlouqueceu? O Ministério Público andou a esbanjar enormes recursos para perseguir crimes prescritos? O que é que permitiu a Ivo Rosa arquivar 172 crimes prescritos, quando a  circulação de 34 milhões de euros está tão bem documentada? Estas perguntas vão esbarrar no acórdão do Tribunal Constitucional de 6 de Fevereiro de 2019, que tem tudo para entrar para a pequena história da nossa democracia. 

A primeira estranheza é esta: Ivo Rosa iniciou a fase de instrução da Operação Marquês a 28 de Janeiro de 2019 e dez dias depois recebeu de prenda o acórdão do Tribunal Constitucional (TC) que lhe permitiu destruir a acusação com base na prescrição de quase todos os crimes. Aquilo que o acórdão em causa - n.º  90/2019 - diz, em termos muito simples, é isto: a contagem da prescrição do crime de corrupção activa começa a partir do momento que a promessa de corrupção é feita, e não quando o dinheiro é entregue ao corrupto, e muito menos aquando do último suborno. 

Imaginem que Ricardo Salgado acordava corromper José Sócrates em 2005, entregava a primeira tranche em 2007 e continuava a entregar-lhe dinheiro até 2011. Manda o bom senso que a prescrição do crime de corrupção comece a contar a partir de 2011, certo? Errado, segundo o TC: a contagem começa em 2005. O que significa - porque o prazo de prescrição da corrupção para acto lícito em 2005 era de apenas cinco anos - que em 2011 José Sócrates já estaria a receber dinheiro de um crime prescrito. Se declarasse o valor ao fisco e pagasse o respectivo imposto, provavelmente o dinheiro até seria legal. Viva o Estado de direito português. 

O acórdão teve como relator Cláudio Monteiro e recebeu os votos favoráveis dos conselheiros José Teles Pereira e João Pedro Caupers, actual presidente do TC. A conselheira Maria de Fátima Mata-Mouros votou contrata e deixou uma declaração de vencida duríssima na qual afirma que o "Tribunal Constitucional exorbitou a sua jurisdição", e acrescenta que o conteúdo daquele acórdão poderia vir a ter (parece que é bruxa) "custos irreparáveis para o prestígio da Justiça e do Estado de direito". 

A segunda estranheza é esta: logo por azar, o conselheiro Cláudio Monteiro que apenas esteve três anos no TC (entrou em Julho de 2016 e renunciou ao cargo em Janeiro de 2020, mudando-se o Supremo Tribunal Administrativo), foi escolhido pelo Partido Socialista e é um antigo deputado do PS. Significa isto que tal acórdão foi redigido para fazer favores a alguém? Não significa. Mas significa que a transumância entre a política partidária e o Tribunal Constitucional é péssima, e que o sistema, tal como o conhecemos, tem guardas pretorianos nas mais elevadas posições. Isto desprestigia o regime, alimentando todas as desconfianças. 

Os tristes factos são estes: a acusação da Operação Marquês foi entregue em 2017 para depois ser dinamitada em 2021 por um juiz que baseou a sua decisão num acórdão do TC de 2019. Um acórdão absurdo e insensível ao mais elementar bom senso. As instituições que deviam proteger-nos estão a alimentar uma cultura de impunidade - e não se vê quem esteja disposto a combatê-la e a travá-la.»

O acórdão do TC que afundou a Operação Marquês, João Miguel Tavares no Público

13/04/2021

O impacto do confinamento na educação é mais intenso nos alunos de famílias pobres, de onde do confinamento resulta mais desigualdade

«Quão prejudicial tem sido o confinamento para a educação das crianças? Um estudo da Universidade de Oxford tentou quantificá-lo analisando dados de alunos holandeses que, ao contrário da Grã-Bretanha, onde os exames foram cancelados, fizeram testes antes e logo após o primeiro confinamento na primavera passada.

Se as crianças de algum país conseguiram passar pelo confinamento sem problemas com a sua educação, sugerem os autores, deveriam ser as da Holanda. Lá, as escolas ficaram fechadas por um período relativamente curto - oito semanas - e a penetração da banda larga nas residências é maior do que em qualquer outro país. No entanto, isso não impediu que as crianças regredissem em uma média de três pontos percentuais nas suas pontuações nos testes entre fevereiro e junho passado.

Mais preocupante ainda, o nível de educação dos pais foi um grande preditor de queda no desempenho - quanto menos qualificados academicamente os pais, mais as crianças regrediram: com as pontuações caindo 60 por cento mais nos grupos com pais menos educados. Isso confirma o que também se suspeitava na Grã-Bretanha - que a educação em casa favorece as crianças com pais proativos que têm os conhecimentos e a inclinação para se tornarem professores substitutos.

O estudo de Oxford analisou os resultados dos testes em crianças de 8 a 11 anos em 15% das escolas primárias holandesas, e comparou a mudança no desempenho entre fevereiro e junho com o que tinha sido nos anos anteriores. Ele descobriu que as crianças de dez anos eram, por uma pequena margem, a faixa etária mais afetada. As capacidades de leitura foram as mais afetadas, seguidas por matemática e leitura. A queda no desempenho foi mais acentuada entre aqueles que, antes do confinamento, estavam no meio da faixa de conhecimentos. Os que estão no topo saíram-se um pouco menos mal, talvez porque tivessem mais motivação para trabalhar durante o confinamento. Os que estão na base também se saíram um pouco menos mal, possivelmente porque seu desempenho teve menos chance de cair. O desempenho das raparigas diminuiu um pouco mais do que o dos meninos.

O estudo afirma uma das desvantagens do cancelamento de exames e testes em escolas inglesas: não temos dados adequados para analisar o efeito do confinamento em alunos ingleses. Pelo contrário, os efeitos do confinamento na Inglaterra foram mascarados pelo uso de notas previstas não ajustadas para fins de GCSE e A-levels. Qualquer pessoa que olhasse isoladamente para os resultados dos exames do ano passado em relação aos anos anteriores, sem saber nada sobre a Covid-19, chegaria à conclusão de que as crianças de repente se tornaram muito mais inteligentes ou que os padrões de ensino sofreram uma melhoria dramática. Eles não imaginariam que, na verdade, o oposto quase certamente aconteceu, e conhecimentos das crianças caíram devido à interrupção da educação. Podemos ser gratos aos holandeses, pelo menos, por persistirem com testes que revelaram que, mesmo no "melhor cenário" de um confinamento curto e boa banda larga, a educação de crianças em idade escolar foi profundamente afetada.»

O impacto do confinamento na educação, Ross Clark na newsletter da Spectator

Morte natural? É natural

Última cartada: defesa regressa à tese da "morte natural"

Termina hoje, com as alegações finais, o julgamento relativo à morte do cidadão ucraniano sob custódia do SEF em março de 2020. Como no caso de George Floyd, a defesa centra estratégia na tentativa de criar dúvida sobre causa da morte: ou não houve agressões ou não foram suficientes para matar.

É claro que Ihor Homeniuk foi brutalmente espancado, a murro, pontapé e bastão, por funcionários do SEF. De onde, naturalmente, resultou a morte que, por isso, só pode ser natural. QED.

12/04/2021

Como atrasar irremediavelmente o plano de vacinação? Resposta: um dia de cada vez (39) - Ao domingo a task force vai à missa

Média diária desde o início da vacinação em 27-12-2020; 70% da população vacinada no final de Setembro foi o objectivo definido pela ministra do SNS ; o Dr. Costa aponta para 100 mil pessoas incluindo "privados"

Se não for a missa será outro evento qualquer, porque nos últimos 8 domingos a média de doses administradas foi de 5,8 mil. Dia após dia, vai ficando cada vez mais distante a conclusão da vacinação e o atingir dos 70%.

É certo que com a vacina da Johnson de uma só dose, as restantes 8,5 milhões doses à média de 40 mil por dia poderiam estar concluídas em Novembro e os 70% seriam alcançados no final de Agosto e o 1,5 milhão das segundas doses exigiria uns 40 dias o que adiaria a conclusão em um mês e meio. Ainda assim, segundo o Oráculo da SIC só chegarão até ao fim do ano 4,5 milhões doses e será preciso vacinar os outros 4 milhões com doses das outras vacinas e, nesse caso, o que fazer às doses da Pfizer e da AstraZeneca já encomendadas e muitas a caminho? Talvez seja esse o coelho a tirar da cartola pelo governo e pela CE que está entalada até ao pescoço nesta salgalhada.

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (80) - Em tempo de vírus (LVII)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Um marco histórico para a justiça do socialismo no Portugal dos Pequeninos

A obra do Sr. Eng. Sócrates sofreu na passada sexta-feira um verdadeiro branqueamento às mãos do Sr. Juiz Rosa. Para usar a fórmula de Alberto Gonçalves, «onde havia matéria para acusação, havia irregularidades processuais. Onde não havia irregularidades, não havia provas. Onde havia provas, não havia obtenção válida das ditas. Onde havia provas utilizáveis, não havia as suficientes para culpar ninguém. Onde havia provas suficientes, havia motivo para prescrição. Onde não havia prescrição, não havia IRS.» Quem teve muita sorte, segundo Carlos Guimarães Pinto, foi Passos Coelho que poderia ser único acusado na Operação Marquês.

Pendurados na bazuca dos frugais

A expectativa é enorme. Olha-se com ansiedade para o Tribunal Constitucional alemão onde está encalhada a bazuca, critica-se porque o governo só quer receber os subsídios e não quer aproveitar senão uma pequena parte dos empréstimos, parte aliás destinada a torrar no Estado sucial. Deveria  perceber-se que isto não é defeito, é feitio, faz parte do modelo de sobrevivência do Dr. Costa que consiste em alargar a clientela com o dinheiro dos "frugais", fazendo o número do bom aluno que cumpre as regras orçamentais, numa altura em que a maioria dos países as estão a mandar às urtigas para evitar o colapso pandémico da economia.

Como garantir que ninguém controla os disparos da bazuca

Há várias maneiras possíveis. A que o governo vai propor ao parlamento tem a vantagem de criar mais emprego. São cinco entidades a fiscalizar a aplicação dos fundos do PRR: Tribunal de Contas, comissão do governo, comissão parlamentar, uma equipa do ministério das Finanças e outra da Inspecção-Geral de Finanças.

Um elefante branco? Na dúvida façam-se dois

Com a fé do "desta vez vai ser diferente" e a convicção de que um desastre anunciado será um sucesso se lhe chamarmos "Valley", o Dr. Galamba anuncia impante que planeia desenvolver pelo menos dois "hydrogen valleys". A coisa não seria grave e ficaria limitada ao dinheiro torrado em estudos e viagens se este tema fosse apenas um brinquedo que o Dr. Costa deixou na mão do jovem socratista para ele se entreter em vez de conspirar, mas não há a certeza disso.

11/04/2021

Proposta Modesta Para Evitar que os Áctivistas Desperdicem Acções e Indignações (6) - Áctivistas do Correctês e do Inclusivês, ide expurgar os Livros Sagrados

Em 1729 Jonathan Swift publicou um panfleto satírico com o título longo e insólito A Modest Proposal: For Preventing the Children of Poor People in Ireland from Being a Burden to Their Parents or Country, and for Making Them Beneficial to the Public.

Desde então, inúmeras Propostas foram baptizadas de «Proposta Modesta». O (Im)pertinências, com quase quatro séculos de atraso, apresentou já várias, algumas delas, como esta, Para Evitar que os Áctivistas Desperdicem Acções e Indignações. 

Desta vez a minha Proposta Modesta é dirigida aos Áctivistas do Correctês e do Inclusivês, incentivando-os a submeterem os Livros Sagrados a uma Depuração Impiedosa.

Dando de barato a completa ausência de referências à identidade de género e a mutiladora limitação aos cisgéneros, é inaceitável a subalternidade e objectificação do cisgénero feminino, como nas seguintes referências, meros exemplos entre centenas:

Corão, 2.ª Surata do Corão Al Bácara, versículo 223 «Vossas mulheres são vossas semeaduras. Desfrutai, pois, da vossa semeadura, como vos apraz.»

Corão, 4.ª Surata An Nissá, versículo 24 «Também vos está vedado desposar as mulheres casadas, salvo as que tendes à mão.»

Antigo Testamento, Génesis, Capítulo 2, versículo 22 «E da costela que o Senhor Deus tomou do homem formou uma mulher; e trouxe-a a Adão.»

Antigo Testamento,  Levítico, Capítulo 21, Versículo 14 «Viúva, ou repudiada, ou desonrada, ou prostituta, estas não tomará, mas virgem dos seus povos tomará por mulher.»

Sem pretender diminuir as importantes lutas em curso para reformular os textos legais e expurgar da linguagem (e do pensamento) os termos incompatíveis com o Correctês e o Inclusivês, exorto os Áctivistas a Inaugurarem uma Nova Frente de Luta para Expurtar os Livros Sagrados.

10/04/2021

Operação Marquês: num dilúvio de factos, um mar de palavras e um (quase) deserto de acusações (3) - Deve ser dispensado um juiz que dispensa advogado de defesa

Continuação de (1) e (2)
 

Como atrasar irremediavelmente o plano de vacinação? Resposta: um dia de cada vez (38) - Uns tímidos sinais de aceleração

Média diária desde o início da vacinação em 27-12-2020; 70% da população vacinada no final de Setembro foi o objectivo definido pela ministra do SNS ; o Dr. Costa aponta para 100 mil pessoas incluindo "privados"

Após três dias acima das 60 mil doses, os optimistas (os pessimistas mal informados) concluirão que a partir de agora será diferente. Talvez, mas não parece provável. Em qualquer caso, a média móvel semanal não descolou das 40 mil doses e cada dia que passa será necessário um maior número de doses para alcançar os objectivos anunciados. Esperemos pelos resultados do fim de semana.

Neste comentário ao post anterior admite-se que o stock existente se justifique para prevenir uma rotura nas entregas das segundas doses. Não parece. Por um lado. a task force fez vários anúncios de milhões de doses a caminho, por outro, em apenas dois dias o stock passou de 22.733.595 (106.209.572 - 83.475.977) para 23.306.315 (109.224.592 - 85.918.277) (COVID-19 Vaccine Tracker).

Voltando à AstraZeneca, as decisões sobre a vacina não são baseadas nos riscos nem no conhecimento científico. Para dizer a coisa de forma simples: foram administradas dezenas de milhões de doses AstraZeneca e houve umas dúzias de casos de tromboses que são ocorrências expectáveis em quaisquer circunstâncias em grupos desta dimensão; o risco de trombose pela vacina é menos de metade do risco de trombose causada pelos anticoncepcionais que mulheres de todo o mundo tomam regularmente.    

Essas decisões são baseadas no histerismo, no medo, na falta de coragem e nos jogos políticos porque é uma vacina desenvolvida por países "dissidentes": o Reino Unido que saltou do comboio e a Suécia que adoptou na resposta à pandemia uma estratégia desalinhada. E também porque proporciona um conveniente álibi para o desastre europeu da gestão das vacinas.

09/04/2021

Operação Marquês: num dilúvio de factos, um mar de palavras e um (quase) deserto de acusações (2) - Corrupção cai e Sócrates fica de pé


Se às 6 mil páginas do despacho do Juiz Rosa e às 53 mil páginas de provas adicionarmos os vários milhares de páginas dos recursos que o MP vai apresentar, e os muitos milhares de páginas que o processo acumulará nos próximos anos (até 2035 dizem alguns), há esperança que se possa atingir o número de páginas já digitalizadas dos julgamentos de Nuremberga.

O que, a ser assim, será mais um grande feito e umas dezenas de portugueses, incluindo o Juiz Rosa e os arguidos, ascenderão (de Ascensoao topo do mundo. Ditosa Pátria que Tais Filhos Tem.

Operação Marquês: num dilúvio de factos, um mar de palavras e um deserto de acusações (antecipo)


Dez meses gastou a criatura a despachar a coisa, o tempo que duraram os julgamentos de Nuremberga (de 20/11/1945 a 1/10/1946) onde foram julgadas 23 dirigentes nazis. Se às 6 mil páginas do despacho do Juiz Rosa acrescentarmos as 53 mil páginas de provas chegamos a cerca de 10% do número de páginas já digitalizadas do julgamentos de Nuremberga.