Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/11/2021

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (199) - À boleia das bodycams, o Dr. Costa a querer ser o Sr. Xi da Jangada de Pedra

«Como se não houvesse já um abuso generalizado da recolha de imagens no espaço público e a absoluta ausência de verificação da legalidade dos sistemas (graças à diluição de competências da autoridade responsável), o Governo demissionário quis criar uma verdadeira sociedade controlada, à boa imagem da ditadura chinesa. Para isso tentou passar uma lei absolutamente abusiva que só se alterou na especialidade graças à quantidade de pareceres humilhantes que recebeu. Mas fica o registo da tentativa – e da aceitação acéfala – que a maioria dos deputados fez deste projeto que dava às forças de segurança o controlo de um dos melhores mecanismos para minar a democracia e as liberdades individuais.

O projeto foi reduzido à utilização de imagens recolhidas por drones e por agentes da autoridade no exercício de funções. Mas a verdade é que o número de câmaras no espaço público cresce sem controlo e pouco ou nada se sabe sobre a forma como os registos são armazenados – e esta lei, que agora foi aprovada, vem simplesmente agravar o problema. O texto é propositadamente ambíguo, para permitir interpretações que conduzam facilmente ao abuso das liberdades. (...)

Mas a lei original, que passou no Parlamento, era muito pior. A lei original tornava todo e qualquer espaço público alvo de videovigilância, sem respeito pelas liberdades individuais nem proteção dos cidadãos. Pior, permitia a que se usasse inteligência artificial e se fizesse a recolha de dados biométricos. (...)

Toda a discussão foi feita em tempo recorde, com desprezo absoluto pelos princípios democráticos. (...)

É difícil saber se os deputados deixaram passar este monumento à ditadura por absoluta ignorância ou por influência de um qualquer lobby securitário liderado por um ministério da Administração Interna que vê ameaças onde elas não existem. (...)»

António Costa, o inesperado big brother, Diogo Queiroz de Andrade no Jornal Eco

NOTA: Na verdade este episódio é principalmente vergonhoso para o PS (exceptuando Cláudia Santos e Isabel Moreira que votaram contra), cujo governo apresentou o projecto de lei. Mas não exclusivamente, porque, além das duas deputadas PS, só votaram contra a aprovação na generalidade BE, PCP, PEV e IL  (ver Projeto de Resolução 119/XIV/1), uma votação que é um exemplo das limitações da visão unidimensional esquerda-direita.

26/11/2021

Pro memoria (414) - O Dr. Rendeiro é apenas um pentelho na pentelheira socialista

Trilema de Žižek

Nos últimos meses as televisões e os jornais foram assaltados por resmas de jornalistas de causas, políticos comentadoresopinion dealers que nos intervalos de nos acagaçarem com a pandemia nos ensopam as meninges com os feitos do Dr. Rendeiro, como se de repente a criatura fosse o responsável por todos os desastres por que este país tem passado pela mão de vários governos, com um especial destaque para os governos do PS com os seus apparatchiks e toda a tralha que trazem pendurada e onde se penduram.    


É por isso indispensável recordar como chegámos aqui, o que faço usando as palavras de Luís Marques  no seu artigo Rendidos a Rendeiro:

«O BPN foi tomado e destruído por um grupo de gente sem escrúpulos, sem competência e sem dinheiro, perante o silêncio e inoperância do Banco de Portugal (BdP). A PT foi sacrificada no altar dos interesses do BES, de Salgado, de Bava e dos seus cúmplices, com a participação ativa do poder político. O BCP foi assaltado por um grupo liderado por Berardo e comandado à distância por uma mistura de inconfessáveis interesses empresariais e pessoais, alimentados pelo Governo de Sócrates e pela cumplicidade do BdP. O BES ruiu, com políticos e reguladores a assegurarem a sua solidez. O Banif foi vendido ao desbarato ao Santander, num percurso cheio de buracos.

Do velho capitalismo português ficaram um monte de ruínas, uma enorme montanha de dívidas, pagas pelos contribuintes, e alguns figurões que continuam a rir-se na nossa cara, tomando-nos por parvos. Rendeiro é mais um dessa já longa lista, daqueles que se julgam acima do poder e da lei e a quem, não poucas vezes, o poder e a lei se rendem. Por ação, por omissão ou por incompetência.»

25/11/2021

ACREDITE SE QUISER: Quase um quinto dos trabalhadores do Portugal dos Pequeninos gostariam de ser pagos com criptomoedas

Se as conclusões de um inquérito da empresa coverflex, com o apoio da Associação Portuguesa de Gestão das Pessoas, abrangendo 814 participantes, tiverem alguma aderência à realidade laboral mostram uma mão-de-obra surpreendentemente moderna e arejada (ou, para os cépticos, não surpreendentemente lunática).  

Não surpreende a preferência de 60% dos inquiridos por uma semana de quatro dias, nem mesmo a de 30% que preferiam uma semana de 32 horas. Começa a surpreender que um quinto dos inquiridos declare receber ajudas de custo em teletrabalho, uma retribuição que se destinar a compensar custos extraordinários e aleatórios, normalmente nas deslocações em serviço, quando neste caso se trabalha em casa e se suportam geralmente menores custos.

O mais surpreendente, porém, é o desejo manifestado por 23% dos inquiridos de terem uma parte da remuneração paga em cripto-moedas. Só me recompus da surpresa quando recordei a espantosa capacidade imaginativa dos indígenas mostrada por exemplo num estudo de opinião de há uma meia dúzia de anos que concluiu haver uma percentagem considerável de portugueses cujo local favorito para o sexo era junto a uma lareira, um dispositivo presente apenas numa pequena percentagem de habitações.

24/11/2021

DIÁRIO DE BORDO: A principal virtude do Dr. Rangel é não ser o Dr. Rio

A boutade do título é de Alberto Gonçalves, um veterano da bloguilha agora no Observador, e traduz bastante bem (substituindo na virtude o qualificativo «enorme» por principal) o que eu penso do Dr. Rangel, uma criatura que para nele votar teria de fazer como preconizou o Dr. Cunhal que os comunistas fizessem ao votar no Dr. Soares: «Se for preciso tapem a cara com uma mão e votem com a outra».

Por várias razões, entre as quais não se conta o seu comportamento na esfera privada nem as suas ideias e práticas sobre a sexualidade, matéria que só a ele diz respeito, mas onde se inclui a cobardia do seu voto contra o casamento dos homossexuais no parlamento em 2008. 

Razões como os conflitos de interesse enquanto deputado europeu (denunciados por Pedro Arroja, que o detesta, talvez por boas razões), como a sua choruda avença mensal da sociedade de advogados Cuatrecasas, entre outros. Ou a sua auto proclamada virgindade política, comparando-se com «António Costa e Rui Rio (que) são pessoas que estão há 40 anos no sistema», sendo certo que ele com as idades dos dois já terá 27 e 31 anos de «sistema», respectivamente. Ou a sua insensatez demagógica de propor «por razões económicas» a subida de um salário mínimo que já representa a maior percentagem na UE em relação ao salário médio e é uma ameaça à sobrevivência das dezenas de milhar de pequenas e micro empresas.

Razões próprias que não tenho a certeza se são anuladas pelas razões dos portugueses, com a sua histórica falta de discernimento, que parecem preferir abertamente o Dr. Rio para opositor (ou candidato a vice do Dr. Costa). Ou se são anuladas pelas razões do PS que, pelos vistos, já perdeu de todo o recato e faz abertamente campanha oficial pelo Dr. Rio, como é o caso do Dr. Ferro Rodrigues, no seu habitual estilo de múmia, e do Dr. Santos Silva, com a sua proverbial falta de decoro, a que se juntam as vozes de apparatchiks menores.

23/11/2021

SERVIÇO PÚBLICO: Como uma lei iníqua dá ao Partido Comunista, através dos sindicatos que controla, um poder que os votos há muito deixaram de lhe dar

«Enquanto há 50 ou 100 anos a maioria dos membros dos sindicatos trabalhava no sector privado, em muitos países hoje a maioria dos membros dos sindicatos trabalha para o sector público ou para empresas diretamente ligadas ao Estado. Ou seja, os sindicatos deixaram de ser uma forma de os trabalhadores se unirem para ganhar poder negocial em relação ao seu patrão, que, sem sindicatos, tinha um poder quase monopsonista sobre alguns deles. Os membros dos sindicatos públicos ganham antes poder negocial sobre os restantes contribuintes, que estão muito menos organizados e dependem do Governo para zelar pelos seus interesses difusos.

Por fim, há um terceiro facto que é particularmente extremo em Portugal. Como o jovem economista Hugo Vilares tem documentado (com Addison, Portugal e Reis), em Portugal só cerca de 10% dos trabalhadores são membros de um sindicato. Mas a lei (*) impõe que 90% dos trabalhadores sejam afetados pelos contratos negociados por esses sindicatos. É difícil imaginar um maior défice democrático em Portugal. Há uma enorme discrepância entre os que têm voz nas negociações e aqueles que são afetados por elas.

Combinando todos os factos, temos que, se Portugal continuar a abrir a sua economia ao comércio internacional (como é inevitável, tendo em conta a nossa dívida externa), os sindicatos vão possivelmente praticamente desaparecer do sector privado. Ao mesmo tempo, protegidos pela lei, eles vão continuar a determinar as tabelas salariais por toda a economia e, graças a umas dezenas de milhares de associa­dos no sector público, vão conseguir bloquear serviços públicos essenciais usando greves. Junta-se a este panorama a suposta subordinação de uma fração significativa dos sindicatos aos interesses políticos do PCP, que tantos comentadores afirmam como sendo um facto. Se assim for, acabamos com um partido que caminha para ter menos de 5% dos votos, e, usando como seus peões menos de 2% ou 3% dos trabalhadores em Portugal, a conseguir bloquear a economia, influen­ciar quem ganha quanto e a dificultar seriamente quaisquer reformas, tudo ao serviço de impor em Portugal princípios marxistas-leninistas rejeitados em todo o mundo e com os quais quase nenhum português concorda. Talvez seja verdade, mas é de certeza uma situação perversa num regime democrático.»

Excerto de O PCP e os sindicatos, Ricardo Reis no Expresso

(*) O autor refere-se ao mecanismo das Portarias de Extensão previsto no Código do Trabalho, mecanismo cujo alcance foi limitado pelo governo de Passos Coelho e reposto pelo governo do Dr. Costa, por exigência dos comunistas para embarcarem na geringonça - ver o post SERVIÇO PÚBLICO: Regresso ao passado (continuação).

22/11/2021

Crónica da asfixia da sociedade civil pela Passarola de Costa (112) - A Passarola Afundada (IV)

Avarias da geringonça e do país seguidas de asfixias

Até no exercício da solidariedade o governo do Dr. Costa é incompetente

Primeiro, as trombetas do regime noticiaram o acolhimento de 26 futebolistas da selecção afegã em fuga do regime talibã. Decorridos 3 meses veio a saber-se que só 7 das raparigas são futebolistas e que a alegada treinadora afinal não o é, trabalha para uma organização americana que financia as operações de resgate e vive no Hotel Ritz. A estória foi desmontada pelo programa Sexta às 9 da RTP de Sandra Felgueiras, a mesma jornalista que já tinha sido alvo de censura pela directora amiga do Dr. Costa e, talvez não por acaso, parece estar em vias de saída para o Canal do CM.

A Transparência Internacional vê opacidade onde S. Ex.ª viu transparência

Há duas semanas S. Ex.ª pronunciou-se sobre tráfico na RCA por militares garantindo que o caso «não atinge minimamente o prestígio das Forças Armadas» e considerou que investigá-lo «só as prestigia em termos internacionais». Nem de propósito, segundo o Government Defence Integrity Index 2020 da Transparency International as FA portuguesas apresentam um alto risco de corrupção e situam-se no mesmo grupo da Albânia, Hungria, Botswana, Uganda entre outros. E não, isso não tem que ver com o escândalo dos diamantes, porque o período analisado foram os 12 meses terminados em Abril. Se fosse agora só poderia ser pior.

A tabuada do Dr. Leão não é a mesma da UTAO

O mês passado o Dr. Leão estimou em 40 mil milhões o impacto da pandemia na dívida pública, de onde se concluiria que os gastos totais teriam sido superiores a esse montante já que uma parte dos gastos com a pandemia teria sido financiada pelas receitas correntes. A UTAO pediu licença para discordar e estimou os gastos adicionais o ano passado em 3.800 milhões e este ano até Setembro em 5.120 mil milhões. Fica por explicar porque precisou o Dr. Leão de se endividar mais 40 mil milhões para gastar mais 9 mil milhões.

Take Another Plan

No próximo dia 10 de Dezembro o plano de reestruturação da TAP completa um ano de estadia em Bruxelas a aguardar aprovação. Receando que as más notícias caiam em cima das eleições, o Dr. Pedro Nuno, patrono da TAP e putativo sucessor-em-chefe do Dr. Costa, ruma a Bruxelas para tentar minimizar a inevitável perda de slots e diminuir a entrada de 250 milhões de capital privado, sendo que esta segunda é a parte mais fácil já que não se consegue ver um "privado" a enterrar dinheiro na múmia.

Enquanto o Dr. Pedro Nuno tenta que os contribuintes paguem os seus devaneios, a TAP vai tentando que os seus passageiros suportem a factura - os voos para a Madeira custam em média uns mil euros (veja-se o fact check do Avante da Sonae que é uma lição de jornalismo de ficção).

«Em defesa do SNS, sempre»

O colapso do SNS prossegue enquanto a Dr.ª Temida passeia pelo país a fazer o circuito das inaugurações. O Hospital Amadora-Sintra fecha a urgência a ambulâncias; bombeiros alertam para a situação caótica no Hospital de Vila Franca de Xira; o número de portugueses sem médico de família aumentou 100 mil este ano.

«Estamos preparados»

O processo de vacinação continua a patinar sem o Vice-Almirante e os objectivos de vacinar totalmente os mais idosos são cada vez mais obviamente inalcançáveis.

Alguns dados revelados pelo relatório Health at a Glance 2021 da OCDE mostram que o governo socialista estava completamente impreparado para enfrentar a pandemia: a segunda maior percentagem (34%) de pessoas que nos 12 meses da pandemia de 2020 a 2021 consideram não ter tido acesso aos cuidados de saúde necessários; a mais alta queda (28%) do número de consultas e internamentos de urgência; a mais alta queda (66%) das consultas presenciais.

21/11/2021

Mitos (317) - O contrário do dogma do aquecimento global (XXVII) - A COP26, a histeria climática e a fábula de Esopo

Outros posts desta série

Em retrospectiva: que o debate sobre o aquecimento global, principalmente sobre o papel da intervenção humana, é muito mais um debate ideológico do que um debate científico é algo cada vez mais claro. Que nesse debate as posições tendam a extremar-se entre os defensores do aquecimento global como obra humana – normalmente gente de esquerda – e os outros – normalmente gente de direita – existindo muito pouco espaço para dúvida, ou seja para uma abordagem científica, é apenas uma consequência da deslocação da discussão do campo científico, onde predomina a racionalidade, para o campo ideológico e inevitavelmente político, onde predomina a crença.

A COP26 foi mais um evento mediático em que uns diabolizaram o "sistema", isto é o capitalismo e a democracia liberal, e outros exorcizaram os seus demónios de vários modos, infantilizando-se numa espécie de Gretas retardadas ou fazendo declarações de paixão climática e promessas vãs. É claro que também por lá havia gente cientificamente preparada e intelectualmente séria, mas no meio do ruído mediático passaram despercebidos.

E estamos assim. Ficamos entalados entre o ruído da histeria climática que levada às suas últimas consequências conclui que o homo sapiens sapiens tem de ser erradicado para salvar o planeta, e o ruído das teorias da conspiração que consideram que o único problema sério com o ambiente é a histeria climática.

Também por cá é mais ou menos assim. Com excepções, claro, como do artigo Alterações climáticas: duas faces da desonestidade intelectual de David Marçal, bioquímico e divulgador científico.

Sendo aquelas duas faces igualmente desonestas e danosas para a compreensão do que está em causa, considero que a histeria climática é potencialmente mais perigosa. Por um lado, a histeria exalta uma minoria de áctivistas lunáticos e desacredita qualquer ideia das consequências negativas dos modelos existentes de produção e de vida e por outro apresenta às pessoas comuns uma visão deturpada e catastrofista que esgotado o pânico pela repetição, como a fábula do pastor mentiroso, convida ao descrédito ou ao conformismo.

20/11/2021

Proposta Modesta Para Evitar que os Áctivistas Desperdicem Acções e Indignações (10) - Áctivistas das mudanças climáticas ide plantar Relógios do Resgate

Outras propostas modestas

[Em 1729 Jonathan Swift publicou um panfleto satírico com o título longo e insólito A Modest Proposal: For Preventing the Children of Poor People in Ireland from Being a Burden to Their Parents or Country, and for Making Them Beneficial to the Public.]

Público

Os três cromos áctivistas climáticos pousados na foto representam a Associação Académica de Coimbra e tinham acabado de plantar o primeiro Relógio do Clima em Portugal que «nos lembra que temos sete anos para nos salvarmos»

Ora, segundo as minhas estimativa, muito antes disso deveremos ter por cá outra vez a troika, o que me leva a propor modestamente àqueles e a todos os outros áctivistas climáticos que plantem também Relógios do Resgate ilustrados com um cartaz como o que plantei em cima. 

19/11/2021

Lost in translation (356) - O que eles disseram traduzido em linguagem simples

Ao passar ontem os olhos pelos jornais deparei-me, como de costume, com várias expressões enigmáticas em politiquês, e resolvi desta vez submeter, como de costume. três delas ao nosso tradutor automático (um web bot de AI com machine learning baseada numa Neural Network com acesso a servidores de Big Data). Eis os resultados:
Tradução: É obrigação deste governo do PS esmifrar os contribuintes da UE ou, não sendo possível, os contribuintes portugueses, para repor as mordomias que tiveram de ser retiradas para resgatar o país do estado em que o outro governo do PS o deixou.     

Tradução: É dramático que Portugal tinha a décima produtividade mais baixa da UE em 2000 e vinte anos depois tenha a sétima mais baixa.

  • Catarina Martins, líder do BE, em entrevista à RTP disse «O Bloco de Esquerda nunca permitirá com a sua força que a direita seja Governo, isso é óbvio.» 

Tradução: Não é preciso explicar que se estivéssemos em Cuba ou na Venezuela, a direita nunca seria governo, nem talvez o Bloco de Esquerda.

18/11/2021

Bons exemplos (140) - Prime Minister shut the fuck up and sit down, said in other words a Speaker with balls

 

«You may be the prime minister of this country, but in this House, I'm in charge
Speaker of the House of Commons Sir Lindsay Hoyle's intervention «to stop Johnson from turning Prime Minister's Questions into, err, Leader of the Opposition Questions.»

SERVIÇO PÚBLICO: Aristides Sousa Mendes, a construção de um mito (2) - "Raramente a verdade é pura, e nunca é simples"

Citei há três semanas um artigo Sousa Mendes no Panteão: justifica-se? de Rodrigo de Sá-Nogueira Saraiva, publicado no jornal Nascer do Sol, pelo gosto da desmistificação porque visava reduzir o mito do herói Aristides à sua suposta real dimensão.

Acontece que no sábado passado, o mesmo jornal publicou o direito de resposta de um familiar de Sousa Mendes que coloca em causa as principais conclusões do artigo de Sá-Nogueira Saraiva. 

Pelo meu gosto pela verdade, só possível pela prática do contraditório, gosto que supera o da desmistificação, resolvo agora encaminhar quem leu o post anterior para a resposta de António de Moncada Sousa Mendes, que desta vez tem um link que me dispensa de citação.