Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/08/2015

A maldição da tabuada (26) – A multiplicação dos emigrantes

Ao ler este artigo de Inês Domingos do Observador, lembrei-me das acusações ao governo por «fabricar estatísticas» há 2 semanas pela deputada socialista Ana Catarina Mendes a propósito das estatísticas de desemprego. Segundo a deputada terão emigrado 500 mil trabalhadores nos últimos 4 anos.

Inês Domingos refere 49 mil emigrantes em 2014, número que não me parece que o INE já tenha tornado público, mas está em linha com os dos 3 anos anteriores: 43.998, 51.958, 53.786 (2011 a 2013) das estatísticas do INE e do Eurostat. No total dos 4 últimos anos são, portanto, 199 mil emigrantes, isto é menos de 40% dos números citados pela deputada socialista – como era de esperar à medida que caminhamos do PS para a extrema-esquerda os números vão ficando ainda mais delirantes.


Como compreender esta incapacidade de lidar com os números? A explicação simples é que se trata de gente atingida pela maldição da tabuada. A explicação mais completa, aplicável à gente que até sabe fazer contas mas não lhe convém fazê-las, é o trilema de Žižek.

1 comentário:

Anónimo disse...

O Senhor Žižek era de esquerda.
O que torna o seu trilema muito, muito, importante.
Abraços