Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/08/2015

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (32) Unintended consequences (IX)

Outras marteladas.

Já várias vezes citei nesta série de posts as consequências indesejadas do intervencionismo dos bancos centrais na modalidade alívio quantitativo. Quando esse intervencionismo se associa, como frequentemente e nesta crise desde 2008 está a acontecer, à redução das taxas de juro os efeitos multiplicam-se. Com a redução das taxas de juro incentiva-se o investimento em activos de riscos e em projectos inviáveis sem retorno a taxas «normais». Com o alívio quantitativo proporciona-se a liquidez necessária para esse investimento.


Como o diagrama anterior mostra (fonte) as taxas reais dos títulos do tesouro americano a 3 meses são negativas desde 2008 e desceram aos níveis dos anos 70, com a «pequena» diferença que, sendo a inflação elevada nessa década, as taxas nominais de juro altas mitigavam os efeitos das taxas reais negativas.

Por muito empurrada que seja com a barriga, a factura acabará por chegar.

1 comentário:

Anónimo disse...

Tantos e tantos projectos de VAL negativo (a taxas normais) que vêem a luz do dia...
Os patos-bravos são uns dos que esfregam as mãos de contentes com os erros cavalares que se cometem.