Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/08/2015

ARTIGO DEFUNTO: Há duas versões do relatório do FMI

esta versão oficial do Second Post-program Monitoring cujo Executive Summary apresenta os seguintes 5 highlights que são a transcrição integral dos itens 31. a 35. do «Staff Appraisal e de que não se encontram traços nos jornais:
  • «Portugal’s economic recovery remains on track, boosted by a generally supportive external environment and a rebound in confidence. 
  • Further fiscal adjustment is needed to reduce risks from high public debt, particularly given volatile market conditions. 
  • More decisive steps to improve banks’ balance sheets are needed. 
  • A proactive approach to corporate debt work-outs is needed to accelerate the structural transformation of the economy. 
  • It will be essential to regain momentum on structural reforms after parliamentary elections later this year.» 
E, suspeito, há outra versão só acessível aos mídia domésticos onde só se fala da sobretaxa do IRS. Só pode ser essa a explicação.

Sem comentários: