Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/08/2015

Pro memoria (249) - Os assassinos são todos iguais, mas há uns mais iguais do que outros

«É constrangedor voltar a isto, mas constrange mais que, em 2015, os crimes do comunismo mereçam a indiferença, ou até a simpatia, que os crimes do fascismo felizmente nunca suscitaram. As vítimas deste foram mártires, as daquele obstáculos, baixas necessárias à construção do homem novo. Era assim em 1930 e assim continuamos, com as avaliações do Bem e do Mal hipotecadas a ideologias e com os representantes da iniquidade à solta por aí, a homenagear o "Che" nas T-shirts ou no olhar. Nos comentários da imprensa, nos programas de debate e nas notícias andam imensos, embora não sejam notícia pelas razões adequadas.»

Alberto Gonçalves, no DN a propósito das indignações por um futebolista português usar uma T-Shirt com o rosto do general Franco na apresentação na equipa espanhola

4 comentários:

JSP disse...

A campanha de publicidade enganosa, e criminosa, mais bem sucedida até aos dias de hoje...
Quanto a Franco, arevo-me a sugerir a leitura e "Los Mitos de la Guerra Civil", de Pio Moa.

JSP disse...

" atrevo-me" ; de " Los ...".

Mea culpa.

Anónimo disse...

Não percebo a surpresa: não conheço um único dirigente comunista que não seja um aldrabão crónico.
JM

Anónimo disse...

Ave, JSP!

Agradeço a indicação de livro. Não tenho como adquiri-lo mas encontrei algumas participações do autor no youtube e é incrível como a esquerda haje igual no mundo todo...

Nuno Salazar da Cunha