Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/08/2015

Chávez & Chávez, Sucessores (34) – Filas, prateleiras vazias e bancos sem dinheiro, o paradigma do socialismo bolivariano (e, mais tarde ou mais cedo, de todos os socialismos)

Recordando os queridos líderes, o preso e o falecido, respectivamente
(Uma concessão pontual à demagogia)
«As autoridades da capital venezuelana proibiram neste domingo os cidadãos de fazerem fila à porta dos supermercados fora do horário de funcionamento, principalmente à noite, por considerarem que estimula a especulação e as vendas ilegais». (Observador)

«O principal banco da Venezuela reduziu de cinco mil para três mil bolívares (de 22,73 para 13,63 euros) a quantia que pode ser levantada diariamente na sua rede de caixas multibanco.» O câmbio oficial do dólar vai 6,3 a 200 bolívares, no mercado paralelo (isto é no mercado) é de 701 bolívares. (Observador)

Uma constante da visão socialista: a inversão das relações causais.

Sem comentários: