Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/08/2015

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (113) – Faz como eu digo e não como eu faço

Mário Centeno, uma criatura socialista («liberal, a caminho de ser ministro», sabe-se lá o que isso significa para o Expresso), Ph.D. in Economics e M.A. in Economics pela Harvard University, lê o programa da coligação PSD-CDS e diz ao Observador:
«Não é assim que se faz política, muito menos em tempo de eleições. Aos olhos de um economista o que salta à vista é o que não está lá. Não está nada quantificado. Não estão identificados os custos de cada medida de modo individual. E há aqui potenciais bombas atómicas.»
Mário Centeno diz isso estribado na sua autoridade de futuro ministro do Futuro Primeiro Ministro de Portugal e colaborador do programa do PS que nas suas densas 134 páginas apresenta as seguintes quantificações, entre as quais não se encontra um único custo de uma só medida:
  • 600 milhões de euros (custo das 150 mil reprovações anuais no ensino básico) 
  • 300 milhões de euros (custo das infecções em meio hospitalar) 
  • 1.000 milhões de euros (receita de IRC não cobrada pela não revisão dos benefícios fiscais) 
  • 120 milhões de euros (cadência regular da contrapartida financeira nacional do PDR) 
  • 5.000 milhões de euros (défice tarifário)
Não desfrutasse Centeno da boa imprensa de Costa e o jornalismo de causas roer-lhe-ia as canelas mal ele tivesse acabado as suas declarações.

Sem comentários: