Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/05/2015

A defesa dos centros de decisão nacional (13) – Unintended consequences (IV)

[Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7),  (8), (9), (10), (11) e (12)]


Como seria inevitável (alô Dr. Pacheco Pereira) para um país endividado ao exterior e apesar da célebre declaração Mississipi (alô Dr. Vítor Constâncio), as empresas portuguesas continuam a ser vendidas ao capital estrangeiro. Desta vez é a seguradora Açoriana, uma participada da Rentipar com 52% (família Roque) e do Banif com 48% (Banif que deve estar na fila para ser vendido, se alguém o quiser comprar). Para variar dos chineses (Fidelidade) e dos americanos (Tranquilidade), desta vez os compradores serão muito provavelmente os espanhóis da Mapfre (já a operar em Portugal há muitos anos) ou os da Mutua Madrileña ou ainda da Santalucia.

Sem comentários: