Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/05/2015

ESTADO DE SÍTIO: «A bolsa VIP do fisco» (4)

Continuação de (1), (2) e (3)

Segundo as conclusões do relatório de inquérito da Inspecção-Geral de Finanças corroboraram a conclusão da Comissão Nacional de Protecção de Dados confirmando que a tutela política ignorava e não tinha dado instruções para criar a bendita lista. Acresce que a existência dessa lista não foi informada ao secretário de Estado pelo director-geral da Autoridade Tributária que entretanto se demitiu.

Sem surpresa, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos, que estava cansado de saber da existência de tal lista e por isso protestou há meses pelos processos disciplinares por acesso indevido, considerou que o relatório «não é isento, nem idóneo» e pediu outra vez a demissão do secretário de Estado - afinal ele está lá para isso e o jornalismo de causas está cá para lhe dar voz. Também sem surpresa, as conclusões do inquérito são irrelevantes para alterar seja o que for dos hectolitros de tinta e de cuspo que foram gastos a instilar nas meninges dos sujeitos passivos a culpabilidade da criatura.

No final, a questão mais importante que é assegurar a confidencialidade dos dados de todos os sujeitos passivos ficou soterrada debaixo de toneladas de detritos mediáticos.

Sem comentários: