Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/05/2015

QUEM SÓ TEM UM MARTELO VÊ TODOS OS PROBLEMAS COMO PREGOS: O alívio quantitativo aliviará? (25) Unintended consequences (VI)

Outras marteladas.

Uma coisa parece estar acima de qualquer dúvida: multiplicam-se os sinais de que as injecções maciças de liquidez pelos bancos centrais, nomeadamente a Fed, o BoE, o BoJ e agora o BCE, estão, entre outros efeitos colaterais, a inchar as bolhas dos mercados imobiliários e de capitais, como já aqui, aqui e aqui referi.

Quanto aos efeitos sobre o crescimento económico as opiniões dividem-se. Vamos aos factos: no Japão, apesar a impressora do BoJ estar há muitos meses a trabalhar a todo o vapor, o crescimento continua anémico. O mesmo se passa na Zona Euro ainda que a impressora do BCE esteja há menos tempo a trabalhar. Quanto aos EU, depois de vários anos e triliões de dólares, a economia animou-se e o desemprego desceu significativamente. Contudo, nos últimos meses, o boom (que nunca tinha atingiu altas temperaturas) começou a esfriar, apesar da impressora continua a funcionar. Ora veja-se o diagrama seguinte.

Fonte: The Economist Espresso

Sem comentários: