Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/05/2015

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (111) - O Dr. Soares não é responsável pelo que escreve ou diz. A responsabilidade é de quem não o corrige

Entendamo-nos: por muito que o Dr. Soares tenha sido o pai da democracia (não foi) e por muito que tenha combatido a tomada do poder pelos comunistas (é verdade porque ele deixara de ser comunista três décadas antes e procurava então a tomada do poder pelos socialistas), devemos reconhecer que algures há uma meia dúzia de anos deixou de ser imputável. Para se ter um resíduo de respeito por ele é indispensável reconhecê-lo.

Quando ele escreve coisas como «o governo (…) vendeu empresas públicas estratégicas a estrangeiros, como a EDP e a REN, ou empresas privadas de duvidosa credibilidade, como sucedeu com a PT» alguém do Partido Socialista deveria vir a público lembrar aquilo que o Insurgente recordou: governos do PS intervieram nas principais privatizações, incluíram nos seus programas quase todas as privatizações e last but not least o último deles foi responsável e agente da compra pela PT da Oi, compra que como no (Im)pertinências se explicou pacientemente durante anos foi a génese da derrocada da PT (ver a longa série de posts «Um minotauro espera a PT no labirinto da Oi».

Sem comentários: