Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/05/2015

DIÁRIO DE BORDO: A vitória dos amanhãs que cantam é mais pífia do que trágica a derrota dos ontens que choram

Há vários ângulos para olhar para os resultados das eleições autonómicas e municipais em Espanha. Comparativamente com as eleições anteriores o Partido Popular perde 2,5 milhões de votos equivalentes a 11% e tem uma derrota sem remissão, após 4 anos de governação impopular a tentar consertar o desconserto deixado pelo PSOE - o partido irmão do nosso PS.

Fonte: El País
Comparativamente com as projecções da esquerdalhada que previa (sonhava) uma hecatombe dos partidos tradicionais que seriam submersos pela maré do Podemos foi um flop. Basta comparar o parágrafo seguinte escrito há 6 meses no Pravda Público com o diagrama.

«O novo partido Podemos, nascido há oito meses e que com três meses de vida elegeu cinco deputados nas eleições Europeias, surge numa sondagem como o que reúne mais intenções de voto: 27,7%, o que são 1,5 pontos à frente dos socialistas do PSOE e mais 7% do que o Partido Popular do Governo de Mariano Rajoy. Aconteça o que acontecer, a formação de Pablo Iglesias, escreve o jornal El País, “já provocou um sismo sem precedentes na política espanhola e está em condições de rebentar com o tabuleiro eleitoral”»

Sem comentários: