Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/05/2015

Dúvidas (100) – E se, de repente, um cliente da Uber saltasse do carro em andamento…

… porque o motorista se desentendeu com outro condutor, começando a conduzir de forma errática ... com ameaças de colisão de parte a parte que fizeram o jovem temer pela vida, receando mesmo estar a ser alvo de uma emboscada. O motorista destrancou as portas do veículo, o cliente abriu a do lado direito e saltou para a estrada com o carro em andamento, tendo caído desamparado. Ao bater com a cabeça no asfalto, ficou inanimado e acabou por morrer horas depois. O motorista continuou e só parou um km mais à frente para deixar sair o outro cliente.

Seria certamente um levantamento nacional, com o futuro presidente da Nóvoa e o futuro primeiro-ministro de Portugal a juntarem as suas vozes ao coro dos indignados, os tambores do jornalismo de causas a rufarem, todos exigindo a prisão do motorista, a expulsão da Uber e o mais que lhes aprouvesse.

Como tudo aconteceu num táxi devidamente licenciado, conduzido por um motorista devidamente dotado dos conhecimentos técnicos e devidamente dotado dos requisitos de urbanidade indispensáveis para lidar com o público, «a PJ identificou e localizou o taxista mas o processo deverá ser arquivado por não existirem indícios de crime».

Sem comentários: