Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/05/2015

A maldição da tabuada (23) – Nem todas as operações aritméticas são comutativas

«As famílias portuguesas usam todos os meses mais de três mil milhões de euros de plafond de crédito - cartões de crédito, contas-ordenado e linhas de crédito autorizadas (crédito revolving). Um valor que reflecte gastos sistemáticos que ficam três mil milhões de euros acima do seu rendimento disponível.»

O parágrafo acima é o primeiro de uma «notícia» do Diário Económico, um jornal «especializado», com o título «Famílias usam três mil milhões de euros de plafond de crédito todos os meses». Se os gastos mensais das famílias ficassem três mil milhões de euros acima do rendimento disponível todos os anos o endividamento das famílias aumentaria 36 mil milhões de euros. Isto deveria ser suficiente para acender uma luzinha na cabeça do jornalista para perceber que está a confundir stocks (o plafond de crédito) com fluxos (consumo mensal acima do rendimento disponível).

2 comentários:

Lufra disse...

Para ser jornalista não é preciso saber fazer contas!

Anónimo disse...

Basta ser ignorante e estúpido.
Abraço