Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/05/2015

ARTIGO DEFUNTO: Os protestos não são todos iguais. Há uns mais iguais que outros (2)

Recordando:
Primeiro PSD, CDS e PS puseram-se de acordo em obrigar todos os mídia a submeterem «planos de cobertura dos procedimentos eleitorais» a uma comissão mista que inclui a Comissão Nacional de Eleições (CNE) e a Entidade Reguladora da Comunicação Social (ERC), «numa espécie de visto prévio».
Depois, os directores editoriais protestaram com atraso e só fizeram o comunicado depois de ter caído a primeira iniciativa de «visto prévio», co-autorada pelo PS, e ter surgido uma segunda proposta do PSD-CDS sem o PS (por agora). Percebe-se. Ficaram muito mais à vontade.
Finalmente PSD e CDS, por um lado, e PS, por outro, apresentaram novos projectos. O projecto do PSD e CDS reflectia ainda a preocupação de controlar os danos provocados pelos mídia. Sendo esse desígnio  inaceitável, percebe que estejam a lutar pelas suas vidinhas num meio hostil.

Em contrapartida, «no projeto apresentado pelo PS, o grupo de vinte responsáveis editoriais encontra maior proximidade aos princípios que tem vindo a defender e uma resposta às preocupações que tem transmitido aos grupos parlamentares», escreveram no seu comunicado os vinte directores de informação.

Talvez um marciano pudesse concluir desta história que o amor do PS à liberdade de imprensa é maior do que o do PSD-CDS. Porém, qualquer observador mais próximo da realidade mediática doméstica e conhecendo o passado de interferência desavergonhada do PS nos mídia percebe que o seu projecto resulta da mais da confiança na boa vontade do jornalismo de causas e na boa imprensa de que desfruta do que do seu limitado desvelo pela liberdade de imprensa.

Um só exemplo: compare-se o tratamento benévolo pelos mídia das medidas sobre Segurança Social previstas nos documentos programáticos do PS recentemente tornados públicos e dos ziguezagues de Costa para não perder o comboio com o que as câmaras de eco do jornalismo de causas fizeram das constatações inócuas de Maria Luís Albuquerque - veja-se a este respeito o post «A inestimável contribuição dos Media para a resolução dos grandes problemas do País…»

Sem comentários: