Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/05/2015

ACREDITE SE QUISER: Como um felácio mudou o curso da história da Europa e talvez do Mundo

À primeira vista, a epígrafe deste post poderá parecer um teaser. Para demonstrar que não é assim, socorro-me do caso de William Jefferson Clinton com Miss Lewinski na Sala Oval, caso que poderia ter levado à impugnação do presidente americano e, por via disso, mudado a história dos EU - a este respeito ver o Case Study: do fellatio à operação Choque & Cagaço - uma aplicação da teoria do caos. Esclarecido esta premissa, vamos à estória que mudou a história.

Se não fosse a venalidade da cleaning lady do hotel Sofitel de Manhattan onde Dominique Strauss-Kahn cedeu à tentação de um felácio rapidinho naquele fatídico 14 de Maio de há 4 anos tê-la levado até ao ponto de querer extorquir-lhe uns dólares adicionais, denunciando o serviço à polícia como um caso de violação, DSK estaria hoje sentado no Eliseu no seu segundo mandato em vez de a criatura que lá mora hoje e que tantas decepções trouxe aos crentes. Remeto os leitores a quem a memória esteja a falhar para a série em 5 episódios «Especulações politicamente incorrectas a propósito de DSK» que à época escrevi.

Se não fosse isso - e deveríamos aqui inserir a trama conspirativa de uma jogada da secreta francesa ao serviço da direita – DSK seria hoje M le President da la République «e a relação Paris-Berlim seria outra» porque «DSK tinha e tem um pensamento próprio, que expôs amplamente durante a crise, colocando em causa o modo como ela estava a ser combatida na Europa» porque, para ele, «esta crise não é como as outras. As regras do jogo mudaram…».

Em conclusão, se não fosse o felácio e o resto, hoje tudo seria diferente. Em vez da troika teríamos as instituições, Merkel teria sido domesticada pelo garanhão, O PEC 4 teria sido aprovado e viveríamos sob o enésimo PEC, o tio Ricardo continuaria a ser o DDT, o preso 44 ainda estaria em S. Bento, etc. – um enorme etc.

Descontado o meu compreensível entusiasmo narrativo, é esta a tese contada por Nicolau Santos em 3 densas páginas que a Revista do Expresso colocou à disposição do seu talento para a literatura.

Sem comentários: