Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/05/2015

Exemplos do costume (29) - Exercícios de vacuidade gongórica do candidato Sampaio da Nóvoa (1)


«Este é o primeiro dia, inteiro e limpo, …

Convosco, livre, quero habitar a substância deste tempo, que exige um Presidente de causas...

Dá-se a volta ao medo, dá-se a volta ao mundo. Bebe-se a coragem até de um copo vazio.

A ética republicana…

Este é o primeiro dia do resto das nossas vidas. Chegou a hora de emergirmos da noite e do silêncio.

Temos de ser maiores do que os nossos problemas. Porque só os vencidos tombam no chão do medo.

Chegou o nosso tempo, o tempo de acordar, o tempo de despertar. Acordemos, pois. Despertemos, pois. Vamos a isto, que já se faz tarde.

Agora é que é. Que venha a maré cheia, de uma ideia, para nos empurrar.
»

Pérolas do discurso de apresentação da candidatura

2 comentários:

jorge gaspar disse...

Esse discurso foi claramente inspirado em músicas do Sérgio Godinho. Ó Nóvoa poderia ouvir coisas novas, sei lá, António Zambujo por exemplo, Azeitonas. Isto de querer ficar parado no tempo reflecte-se em tudo. Este pelos vistos terá ficado algures em 74

Anónimo disse...

Como dizem uns amigos meus:
Encalhado numa ruga do contínuo espaço-tempo
Abraço