Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/05/2015

Exemplos do costume (31) - Exercícios de vacuidade gongórica do candidato Sampaio da Nóvoa (3)

«Serei prudente e rigoroso no uso dos poderes presidenciais, mas não farei da omissão o meu estilo, da ausência um método, do silêncio um resguardo

«Um Presidente pode ser muito mais do que tem sido, pode ser um de nós, pode ser alguém que junta, que une, que abre o futuro quando caminha ao lado das pessoas».

Citando Eugénio de Andrade: «A independência tem um preço, sempre o soube, e nunca me recusei a pagá-lo» e «ser poeta também é isso, essa inabilidade para o mundo do lucro e da usura». Da Nóvoa não esclareceu em que se funda a sua independência e se pretende presidir a um país do prejuízo e da liberalidade – ou seja o país onde a doutrina que partilha nos trouxe.

Sem comentários: