Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/05/2015

Mitos (195) – O contrário do dogma do aquecimento global (V)

Continuação de (I), (II), (III) e (IV)

LEMA: O contrário do dogma do aquecimento global não é o dogma do não aquecimento global. É a dúvida sistemática sobre a evolução do clima e dos factores que a condicionam.

Pode ser o aquecimento global, pode ser o arrefecimento global, pode ser o ciclo das manchas solares, podem ser alterações do campo magnético, pode ser uma alteração do eixo terrestre, pode ser qualquer coisa induzida pelas actividades humanas. Ou não.

Evidentemente que o jornalismo de causas também pratica a ciência de causas, o que se aceita como religião, digamos. Como religião, o jornalismo de causas ainda está na fase pré-Galileu sem saber que que a Terra e pur se muove. Daí escrever coisas disparatadas como «a concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera atingiu um nível recorde em março, mais um sinal evidente do aquecimento global», invertendo a relação causal que está no cerne da crença do aquecimento global devido à acção humana – um pouco à maneira de Chateaubriand que, diz-se, abençoou a divina providência por fazer passar os rios pelo meio das cidades.

Por falar em ciência de causas e aquecimento global, leia-se este artigo de Christopher Booker também a propósito do «hottest March since records began in 1880» e vejam-se os dois diagramas seguintes antes e depois do «ajustamento» feito pelos cientistas de causas.

Sem comentários: