Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/02/2015

TRIVIALIDADES: Desengravatamento, uma causa fracturante

Enviado por JARF, um notório admirador de ‘o’ Alexis e de ‘o’ Yanis

Nota histórica:

A palavra «gravata» deriva do francês «cravate», uma corruptela da palavra «croate». O trapo que hoje pode custar centenas de euros e compõe as camisas de muitos homens (e algumas mulheres) teve origem num outro trapo usado no pescoço pelos hussardos croatas de um regimento de cavalaria baptizado Royal-Cravates por Luis XIV em 1666.

O trapo foi muito apreciado pelos franceses, espalhou-se mais tarde um pouco por todo o mundo, e podia ser visto nos pescoços de muita gente, incluindo a esquerdalhada. Até recentemente. Morto Che Guevara, caído o muro de Berlim, enfiada na gaveta a ditadura do proletariado, transformado o marxismo no politicamente correcto, substituídos os assaltos aos palácios de Inverno e as guerras de «libertação» pelas causas fracturantes, o radical chic, herdeiro nas sociedades afluentes desse lixo histórico, adicionou o desengravatamento a essas causas.

1 comentário:

Anónimo disse...

Gosto da definição do Radical Chic.
Só vós...
Abraço
eao