Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/02/2015

Mitos (187) - Os novos ícones da esquerda

«O ministro das Finanças grego é sexy, porra!», escreveu Isabel Moreira num sítio qualquer. O jornalismo de causas e a esquerda andavam carecidíssimos de um herói. Descobriram dois, ‘o’ Alexis e ‘o’ Yanis, sendo que o segundo está a ganhar nos mídia o estatuto de vedeta.

Veja-se a página 15 da Revista do Expresso dedicada ao Varoufas, como com intimidade irónica lhe chama o comendador Marques de Correia, umas páginas mais à frente. É um panegírico na forma de «um currículo visual», com uma fotografia hollywoodesca no centro, rodeada pela evocação comovedora da vida do herói. Evocação que começa com o nascimento e o episódio mitológico da invasão da sua casa aos 6 anos pelo esbirros dos coronéis para prender o pai, e acaba no dia 30 de Janeiro quando «corta a cabeça à troika», passando pela «terceira vitória de Margaret Thatcher» que o levou a abandonar a «velha Albion», porque foi «demais».

Tem sido um longo caminho, desde Lenine, Trotsky, Estaline, Mao, Castro, Che Guevara, até aos ícones Alexis e Yanis, acompanhando a evolução do marxismo desde a ditadura do proletariado até às causas fracturantes e ao politicamente correcto do marxismo cultural.

2 comentários:

Unknown disse...

A Grecia o orgasmo da esquerda caviar.Pena para os gregos que seja tão efemero.

JSP disse...

A coisa tem ares de ejaculação precoce...