Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/02/2015

SERVIÇO PÚBLICO: O acordo do Eurogrupo com o governo Tsipras-Yanis explicado às criancinhas

De uma forma muito sintética, o acordo consistiu em: acordamos continuar a tentar chegar a acordo ou para usar a descrição do Negócios:
«Mais empréstimos? Sim, mas a Grécia ainda tem de explicar como os quer usar e a troika tem de concordar. Há espaço para mudar políticas? Se encaixarem no actual programa, sim. Há flexibilidade orçamental? Só para acomodar menor crescimento. Quando chega mais dinheiro? Talvez só em Maio. E o que está reservado para os bancos, pode pagar salários? Não, e vai sair de Atenas
Ou, ainda, explicado em europês:
«The Eurogroup notes, in the framework of the existing arrangement, the request from the Greek authorities for an extension of the Master Financial Assistance Facility Agreement (MFFA), which is underpinned by a set of commitments. The purpose of the extension is the successful completion of the review on the basis of the conditions in the current arrangement, making best use of the given flexibility which will be considered jointly with the Greek authorities and the institutions. This extension would also bridge the time for discussions on a possible follow-up arrangement between the Eurogroup, the institutions and Greece
A grande conquista do duo Alexis-Yanis foi a substituição do nome «troika» por «TTMTIFCT» (that thing made up of three institutions formerly called troika). Só por isso, esta conquista permitirá ao governo Tsipras-Anel continuar o seu trabalho de agit-prop iludindo patetas, os quais infelizmente parecem constituir um fracção significativa dos gregos.

1 comentário:

Carlos Conde disse...

...dos gregos? então e dos portugueses?