Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/02/2015

CASE STUDY: O homem providencial para o Estado Previdência (9)

(Outros feitos do homem providencial)
«Numa união a 28 não é possível prometer um resultado que depende de negociações com várias instituições, múltiplos governos, de orientações diversas.»
António Costa, líder do PS, na conferência da Economist.
Caso não saiba, estamos a falar do mesmo Costa que prometeu
  • o fim da austeridade, 
  • o crescimento da economia, 
  • o aumento do salário mínimo para 522 euros, 
  • repor os salários na função pública, 
  • devolução integral dos cortes dos salários na Função Pública, em 2016, 
  • repor as pensões, 
  • eliminar a sobretaxa do IRS, 
  • investir em investigação e desenvolvimento, 
  • incrementar factores de competitividade empresarial efectivos, 
  • reduzir o IVA na restauração e o IMI, 
  • alterar o Tratado Orçamental, 
  • entre muitas outras promessas que ficaram afogadas no bla bla costista. 
Já agora ver esta infografia da «Agenda para a década».

Entretanto, Costa também disse aos chineses no Casino da Póvoa que agradecia «à China todo o apoio que nos deu» e que Portugal está numa situação «bastante diferente daquela que estava há 4 anos atrás».

Poderá então concluir-se que Costa só fala verdade para os estrangeiros?

Aditamento:
A boa imprensa de Costa conseguiu «manter secretas durante uma semana as declarações de António Costa no Casino da Póvoa».

Sem comentários: