Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/02/2015

Pro memoria (224) – A crédito

O Eurogrupo prescindiu da cláusula pari passu e aceitou o reembolso antecipado da parte do empréstimo do FMI que poderá ser pago com emissões possíveis actualmente a taxas mais baixas, o que permitirá poupar pelo menos 500 milhões de euros. Já agora, recordemos a inevitabilidade de um novo resgate segundo os oráculos amplificados pelo jornalismo de causas nos anos de 2012 e 2013.

Segundo os números da Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público, «a 31 de dezembro de 2014, o emprego no sector das administrações públicas situava-se em 655 620 postos de trabalho, revelando uma quebra global de 2,7 % em termos homólogos (menos 18 474 postos de trabalho) e de 9,8 % face a 31 de dezembro de 2011 (menos 71 365 postos de trabalho).». Não havendo evidência de que a eficácia do aparelho do Estado gerido por este governo seja pior do que o gerido pelo anterior temos de concluir que a sua eficiência aumentou quase 10%.

Sem comentários: