Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/02/2015

ARTIGO DEFUNTO: O pensamento delirante radical chic

«Para mostrar ao que vinha, a Grécia entrou a matar: reposição do salário mínimo, eletricidade gratuita para mais de cem mil famílias que não a conseguem pagar, reposição do 13º mês para reformas inferiores a 700 euros, suspensão das privatizações. No prolongamento das sanções à Ucrânia e nas relações com a Rússia, deixou um primeiro aviso: a Europa tem muito a perder se encurralar os gregos. Depois dos sinais de força, Tsipras e Varoufakis começaram o périplo europeu para procurar aliados e falar diretamente com os responsáveis políticos. Ganhou espaço político.»

Escreveu Daniel Oliveira, sob o título «Somos gregos», no Expresso, o jornalista, ex-PCP, ex-Plataforma de Esquerda, ex-BE, actual Fórum Manifesto e Tempo de Avançar (para onde?). E por que não, já que estamos a falar de «política», para «mostrar ao que vinha», dar mais «sinais de força» e ganhar «mais espaço político», o Syriza aumentar para o dobro o salário mínimo, dar electricidade a 600 mil famílias, repor o 13.º mês e dar mais o 14.º mês, nacionalizar mais umas quantas empresas privadas e, last but not least, fazer uma aliança com o seu colega Putin?

Sem comentários: