Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/02/2015

SERVIÇO PÚBLICO: O acordo do Eurogrupo com o governo Tsipras-Yanis explicado às criancinhas (2)

Há várias maneiras de perceber em que consistiu o acordo de 6.ª feira passada do Eurogrupo com o governo Tsipras-Yanis, mas nenhuma delas consiste em ler o que sobre esse acordo escreveu o jornalismo de causas nos mídia portugueses. Uma maneira possível é ler este post. Outra é ler o que escreveu esta madrugada a Economist no seu Espresso.

Spartan conditions: Greece’s bail-out


«The bail-out extension to which Greece agreed on Friday left several questions unanswered. Not the least was exactly what measures the Greeks would have to take to jump-start economic growth. Today, therefore, Greece will submit to the European Commission, the European Central Bank and the IMF (the institutions formerly known as the “troika”) a list of reforms it intends to pursue in the coming months. These are likely to include crackdowns on tax evasion and corruption; Greece may find pension and labour-market reforms harder. If the institutions are satisfied, up to €7.2 billion ($8.2 billion), the sum remaining in the bail-out kitty, may eventually be disbursed. Under the terms of last week’s deal, though, the final review of Greece’s efforts needed to unlock the funds may not take place until the end of April, which raises a second unanswered question: how will Greece fund itself until then?»

Sem comentários: