Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/02/2015

BREIQUINGUE NIUZ: Portugal não é a Grécia (por enquanto)

«Portugal realizou hoje um leilão de dívida com maturidade de 10 anos, num montante total de 1.25 mil milhões de euros. Este valor situa-se no máximo do intervalo previamente anunciado (€1MM €1.25MM), tendo a taxa de juro suportada fixado um novo mínimo histórico, de 2.5062%.

Na última operação comparável, realizada no passado mês de Novembro, a taxa de juro implícita nos títulos com maturidade a 10 anos foi de 3.1755%, tendo o custo da dívida de idêntica maturidade, emitida aquando na emissão de dívida sindicada realizada em Janeiro, sido de 2.92%. 

De referir ainda que a procura total ascendeu a 2.35 mil milhões de euros, ultrapassando a oferta em 1.88 vezes, o que compara um rácio de 2.07 vezes no leilão realizado no final de 2014. 

O resultado deste leilão tem particular importância por se realizar no mesmo dia em que o Eurogrupo se reúne para discutir o futuro do financiamento à Grécia, após nos últimos dias se ter assistido a algum extremar de posições entre autoridades gregas e alemãs, situação que, até ao momento, não se reflectiu negativamente sobre o custo da dívida dos demais países da periferia da Europa.»

De uma newsletter do BPI

Sem comentários: