Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/02/2015

A maldição da tabuada (21) – É por causa dos défices

Só tenho uma explicação para o facto de o governo andar vai para 4 anos a dizer-nos que está a cumprir todas as medidas do Memorando de Entendimento por excesso, a oposição andar durante 3 anos a dizer-nos que o governo é um lacaio da senhora Merkel e faz tudo o que lhe mandam e no último ano ter passado a dizer que afinal o governo não cumpriu o Memorando (que por acaso foi negociado e assinado por uma parte da oposição no lavar dos cestos da vindima do PS).

Explicação que me ocorreu quando soube que a Comissão Europeia considerou como cumpridas apenas 36% das reformas estruturais. Quando se passa os olhos pelas 34 páginas do Memorando - onde logo na primeira se escreve «if targets are missed or expected to be missed, additional action will be taken» - isso corresponde a menos de uma reforma estrutural cumprida por página.

É a maldição da tabuada resultante do défice de numeracia, um défice mais persistente e mais grave do que os défices do OE ou o défice das contas externas, só talvez ultrapassado pelo défice de memória, e que, pelo menos vai para mais de 250 anos, desde que o marquês de Pombal expulsou os jesuítas – os únicos que sabiam fazer contas - aflige sem qualquer discriminação governos, oposições, jornalistas, opinion dealers e o homo lusitanicus em geral.

1 comentário:

Luis Bento disse...

Um excelente espaço de partilha, divulgação e opinião que, obviamente , vou passar a seguir.