Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/08/2013

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: Devem ser as janelas

«A banalidade do bem 

Solidez e carisma zero põem líder alemã no caminho de mais uma reeleição

Um bocado de gente se acha no direito de dizer a Angela Merkel, a primeira-ministra da Alemanha, o que ela deve fazer. A lista começa com presidentes variados, passa por líderes europeus de esquerda e de direita e chega até Karl Lagerfeld, o desbocado cérebro criativo da Chanel que resolveu dizer que a única pessoa de nacionalidade alemã mais importante do que ele não se veste bem. Está aí uma crítica perfeitamente justa.
Os demais detratores em geral se enquadram nas seguintes categorias: partidários da folia fiscal de todos os quadrantes, invejosos externos da fortaleza alemã e adversários políticos internos. Estes andam mais combativos à medida que se aproximam as eleições de 22 de setembro e a perspectiva de outra reeleição de Merkel. Chegaram a criticá-la por ter feito uma visita inédita ao campo de concentração de Dachau, acusando-a de exploração eleitoreira. É claro que se tivesse recusado o convite, coincidente com o sombrio aniversário de oitenta anos de abertura do campo, o original do modelo nazista que se replicaria de forma mais sinistra e mortífera, a primeira-ministra teria sido igualmente malhada. Com seu visual de glamour zero, ela fez exatamente o que havia planejado. A falta de carisma é uma vantagem competitiva num país sólido e rico onde, na definição do historiador inglês Timothy Garton Ash, prevalece hoje a "banalidade do bem". Perguntada certa vez a quem gostaria de oferecer um jantar, no sentido de ter uma conversa mais próxima, Merkel respondeu que não dava jantares. O que lhe vem à cabeça quando pensa na Alemanha'? ''Janelas com bom isolamento térmico. Nenhum outro país faz janelas tão bem calafetadas e bonitas”. Numa pesquisa recente realizada pela BBC britânica em 25 países, a Alemanha apareceu em primeiro lugar no índice de admiração, 10 pontos à frente da França. Devem ser as janelas.»

VILMA GRVZINSKI, na revista Veja de 28 de Agosto

Declaração de interesse: tenho janelas francesas de madeira fabricadas com perfis metálicos alemães e estou bastante satisfeito. Quanto à montagem feita por uma empresa portuguesa, nem por isso.

Sem comentários: