Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/08/2013

SERVIÇO PÚBLICO: Há dois Portugais em Portugal (2)

Continuação de (1)

Como já por aqui se escreveu várias vezes, há pelo menos dois Portugal no Portugal.

Há o Portugal dependente (e nalguns casos parasitário).

Há o Portugal que protesta contra a austeridade quando aumentam as despesas correntes primárias (5,1% no 1.º semestre deste ano) e o défice só não derrapa porque os impostos aumentaram ainda mais. Há o Portugal que chama «um roubo» à aproximação das pensões da CGA (funcionários públicos que pagaram contribuições inferior a 10% dos restantes trabalhadores e que se reformaram com 90% do último salário com 36 anos de descontos) às pensões da Segurança Social.

E há o outro Portugal.

Há o Portugal que trabalha e produz (produção industrial aumentou 2,1% em Julho), cria empregos (a população empregado aumentou de 72,4 mil, o número mais elevado desde 1998) e reduz o desemprego pela primeira vez em dois anos (para 17,4% em Junho, com menos 9 mil desempregados em Junho, sobretudo jovens). Há o Portugal que compra mais automóveis (mais 4,2% até Julho) reduzindo o crédito (4,5% nas famílias) e o malparado (famílias e empresas, 0,3% e 1,3% respectivamente).

Actualização:
A OCDE perspectiva a melhoria da economia portuguesa nos próximos seis a nove meses.

Sem comentários: