Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/08/2013

Nem todos os obamas de Obama fazem felizes os obamófilos: episódio (70) – Obama, o melhor amigo de Bush (II)

Uma espécie de sequela daqui.

Como aqui escreve o Pulitzer George Will, a retórica retorcida de Barack Obama, a respeito da intervenção na Síria ou de qualquer outra opção difícil que requeira guts, ilustra os perigos da loquacidade, que é a sua especialidade. Seja como for, se finalmente o homem se decidir a intervir depois de ter tornado o processo decisório num fenómeno de marketing a intervenção terá tudo para ser um falhanço político, se não mesmo militar.

Em tudo isto só é surpreendente – no fundo até não é! – a complacência da mesma esquerdalhada que demonizou Bush pela intervenção dos EU coligados com uma dezena de países no Iraque, sem um mandato da ONU, e agora vê com simpatia uma anunciada intervenção praticamente unilateral.

Porém, como dizia o outro, é possível enganar alguns, toda a vida, e todos, durante algum tempo, mas não é possível enganar todos, toda a vida.

Sem comentários: