Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/08/2013

DIÁRIO DE BORDO: He had a dream… I have a dream

Há precisamente 50 anos, um pastor protestante e activista fez um discurso na escadaria do Lincoln Memorial para 250 mil pessoas onde repetiu nove vezes «I have a dream». A frase seguinte é uma das menos citadas e é em minha opinião a mais importante:
«I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will not be judged by the color of their skin but by the content of their character.»
Fizeram-se progressos imensos um pouco por todo o mundo e as pessoas são cada vez menos julgadas pela cor da sua pele - se esquecermos o politicamente correcto ou marxismo cultural que, ao defender a discriminação positiva, continua a praticar o racismo por outros meios. Por uma outra influência do politicamente correcto - o relativismo moral - não se fizerem grandes progressos no que respeita à parte afirmativa daquela frase de Martin Luther King que se poderia reescrever assim:
«I have a dream that my four little children will one day live in a nation where they will be judged by the content of their character.»

1 comentário:

Anónimo disse...

Muito bem visto.