Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/08/2013

Dúvidas (22) – Será que o jornalismo de causas ouviu as minhas outras dúvidas?

Interroguei-me na passada 6.ª feira sobre o zelo selectivo do jornalismo de causas e em particular porque ainda não tinha desenterrado as datas dos contratos swap de natureza especulativa e os nomes dos seus signatários, dos administradores das empresas que os contrataram e dos secretários de estado e dos ministros que os tutelavam na época.

Concedo que, entretanto, alguns jornais, incluindo o Expresso, noticiaram que Carlos Costa Pina, o secretário de estado do Tesouro de Teixeira dos Santos, e recém-indignado com as «mentiras» de Maria Luís Albuquerque, autorizou em Abril de 2006 um swap da EGREP, considerado o mais especulativo, prevendo um spread condicional de 4% se as taxas euro a 10 anos fossem inferiores às taxas a 2 anos. Puro jogo.

Exorto os militantes do jornalismo de causas, na clandestinidade até este governo tomar posse, a continuar a desenterrar os factos relacionados com os contratos swap e, em particular, a publicaram integralmente o despacho de Janeiro de 2009 do mesmo Costa Pina recomendando às empresas públicas a contratação de «instrumentos de gestão de cobertura de risco em função das condições de mercado».

Sem comentários: