Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/08/2013

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (7) - Ioseb Besarionis dze Jugashvili continua vivo no hipocampo dos bloquistas

«Podemos dizer que (Louçã) foi um grande impulsionador e um quadro que tinha uma grande vivacidade e que mais sabia de política - o quadro político mais antigo - mas também foi em parte um destruidor porque ficou cego com a necessidade de apressar o processo de transformar o Bloco de Esquerda num partido mediático e eleitoralista. O sistema de organização tem impedido o Bloco de ser um partido de militantes. Não quero falar muito da palavra estalinismo. Mas a cultura estalinista está muito presente no Bloco

João Cabral Fernandes, fundador em 1973 da Liga Comunista Internacionalista (LCI) mais tarde rebranded Partido Socialista Revolucionário, e finalmente objecto de uma OPA pelo Bloco de Esquerda (ionline).

Ioseb Besarionis dze Jugashvili, mais conhecido por José Estaline, o Lucífer dos trotskystas, mandou Ramón Mercader, um comunista catalão, assassinar em 1940 Leo Trotsky, no México onde se encontrava exilado. Trotsky fundara dois anos antes a Quarta Internacional, a alma parens doutrinária da LCI e do PSR, de Francisco Louçã, de João Cabral Fernandes e dos trotskystas das várias tendências.

Sem comentários: