Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/03/2011

Quo vadis?

Depois do embandeiramento em arco do governo com o aumento no último trimestre, chegam as más notícias as notícias do costume: Portugal foi o único país da UE onde a produção industrial voltou a cair (1,4%) em Janeiro.

Apesar do embandeiramento em arco do governo com o comportamento das exportações, o seu aumento não está a ser suficiente para reduzir o défice do comércio externo que nos 3 meses terminados em Janeiro aumentou em relação ao período homólogo de 4.978 milhões para 5.053 milhões, espetando mais uns pregos no caixão da endividamento.

A economia teima em não se reanimar com a medicina socialista, o que não parece ser um problema para o governo que tudo indica não tem falta da mesma medicina que nos administrou nos últimos quase 16 anos. Quase 16 anos? perguntareis. Durante 2,5 anos, a medicina socialista foi administrada em franchising pelo governo de Durão Barroso e o seu prolongamento Santaníco e durante o resto do tempo directamente pelos socialistas. Tudo em nome dum pseudo-estado social que faria inveja aos fantasmas neoliberais que povoam os pesadelos das mentes socialistas.

Sem comentários: