Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/03/2011

ARTIGO DEFUNTO: O protesto antecipado

Contra quem foram protestar para a avenida da Liberdade os trezentos cem mil deolindos? Contra quem governa o país há 6 anos ininterruptos e em 13,5 dos últimos 16 anos. Certo? Errado, segundo Baptista traço Bastos, o inventor do jornalismo de causas.

Quem é Baptista traço Bastos? Não carece de explicação. E o que é o jornalismo de causas? É «sobretudo o porta-voz daqueles que não têm voz». É o jornalismo em que «não há factos. Os factos correspondem à visão do mediador, do repórter». É o «jornalismo de indignação», que não é «indolor e incolor» e de revolta contra os que «querem é capar-nos».

Segundo Baptista traço Bastos, «o protesto dirigia-se, bem entendido, a quem nos governa. Mas, também, a quem nos vai governar e a quem nos tem governado».

Sem comentários: