Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/03/2011

ESTADO DE SÍTIO: Um bom resumo dos últimos 37 anos

«O que explica este estado de coisas, em que esquerda e direita se confundem e apenas se distinguem por protagonistas diferentes de políticas iguais, é que o regime tem sido, desde a sua entronização constitucional em 1976, governado à esquerda, de acordo com os seus paradigmas e as suas convicções e utopias. A saber e entre outras, o estado social, a justiça distributiva, o interesse público e o predomínio do colectivo sobre os direitos individuais, a «liberdade» vista como concessão do estado e do governo e não como direito natural dos indivíduos e fundamental dos cidadãos, a tolerância pela propriedade privada, o rendimento mínimo, a educação gratuita, a saúde gratuita, a tributação elevada, a desconfiança pelo sucesso empresarial, a rigidez laboral, a subsidio dependência, e, mais recentemente, as causas fracturantes transformadas em políticas do governo, como o aborto praticado no Serviço Nacional de Saúde, o casamento entre pessoas do mesmo sexo, entre outros
[Continua a ser pouco, post de Rui a. no Blasfémias]

Na minha modesta opinião, faltou apenas esclarecer não ser acidental a esquerda e a direita portuguesas se confundirem. As nossas direitas são tão colectivistas como as esquerdas e partilham da mesma visão do papel do Estado na sociedade e na economia. O que, não sendo novidade nenhuma, mostra que não chega distinguir direita e esquerda, é preciso considerar a dimensão social e a antinomia individualismo-colectivismo ou liberalismo-autoritarismo. O que temos tido são governos de esquerda e de direita com doutrinas colectivistas e anti-liberais. É esse paradigma que é preciso mudar, mudança dificílima estando o eleitorado intoxicado por séculos de colectivismo e esperando sempre mais da mesma medicina que lhe causa a doença.

Sem comentários: