Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/03/2011

DIÁRIO DE BORDO: Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde

Não consigo ouvir os discursos de Cavaco Silva. Para ser sincero, nem da maioria dos actuais políticos portugueses. Para dizer toda a verdade, tenho dificuldade em ouvir discursos – qualquer discurso. Se começo a ouvir, surge-me uma espécie de urticária cerebral, gradual, nuns casos, súbita noutros.

Pelo que li do discurso de inauguração de Cavaco Silva, como dizem os ianques, concordo com grande parte. O que é assombroso, porque discordei da maior parte dos discursos (que li) dele no primeiro mandato. Só tenho uma explicação: não é o mesmo Cavaco Silva, o esposo da doutora Maria Cavaco Silva, o antigo primeiro-ministro que inaugurou e engordou o monstro. É outro. «Sobressalto cívico»? Poderia ser Soares ou Sampaio.


Eu não sou o eu, nem sou o outro
Sou qualquer coisa de intermédio
Pilar da ponte de tédio
Que vai de mim para o outro
Mário Sá-Carneiro

Sem comentários: