Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/03/2011

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: Esquecei o défice olhai para a dívida Não esquecei nada

É mais difícil esconder a dívida pública do que o défice? Sem dúvida. Porém, difícil não é impossível, muito menos para um governo com um tão notável registo de trafulhices – recordem-se aqui as últimas.

O que pensará o eleitorado dum partido que se candidatará às eleições chefiado pelo ex-primeiro-ministro responsável pelas piores distorções as contas públicas desde dona Maria II? Dar-lhe-á a vitória? É difícil, mas não impossível.

Enquanto isso, o que faz o PSD? Admite o aumento do IVA. Depois da grandiloquência da revisão constitucional, a montanha pariu um rato. De que está à espera Passos Coelho para denunciar em português corrente as trafulhices e anunciar que ser for eleito pedirá uma auditoria independente (Eurostat, por exemplo) às contas públicas, para se conhecer com precisão a dimensão da herança socrática?

Sem comentários: