Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/03/2011

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (34) – garganta sem fundo

José Sócrates, o artista anteriormente conhecido como animal feroz, ao ser chamado a Berlim (o Expresso titula muito apropriadamente «Merkel chama Sócrates a Berlim»), acompanhado do pior dos melhores do melhor dos piores ministros das Finanças, continua um episódio de vergonhosa submissão que só encontra paralelo na nossa história no Ultimato de 1890, com a circunstância agravante que é o primeiro-ministro português a pôr-se a jeito para receber o jugo. E só encontra justificação na mais completa falta de princípios em que tudo vale para manter o poder.

Na bagagem o ex-animal feroz leva as contas falsificadas da execução dos dois primeiros meses do ano (execução fechada no dia seguinte ao fim de Fevereiro? alguém acredita nisto?) e virá de lá com mais umas medidas adicionais para encher o olho germânico, medidas repetidamente negadas como necessárias.

É claro que a multidão de novos situacionistas que pululam no PS engoliu tudo isto e engolirá muito mais pelas mesmíssimas razões de manter as sinecuras e as tenças que sabem perderiam se não apoiassem a clique socrática à falta de outras soluções.

Sem comentários: