Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/03/2011

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (35) – e cada vez com maior significado

José Sócrates, o artista anteriormente conhecido como animal feroz, transformou-se num bicho dócil dedicado a lamber a mão da sua dona Merkel e a tremer quando o povo ignaro o insulta por uma das poucas coisas que fez certo no momento errado. Refiro-me às portagens nas SCUT (quando lhe mudam o nome para CCUT?), surgidas com 6 anos de atraso, cuja paternidade Sócrates rejeita, jurando que «o Governo foi obrigado a negociar e a obter um compromisso».

Que um terço dos portugueses, segundo as sondagens, ainda faça uma avaliação positiva do homem, diz muito sobre as razões porque chegámos aqui e aqui nos conformamos a continuar. Que o PS, um partido fundado na Alemanha que atraiu durante as 4 décadas seguintes la crème de la crème da intelectualidade e dos notáveis nativos, siga a reboque da clique liderada por tal personagem diz imenso do que é o PS e da sua dependência das sinecuras que o estado sucial lhes proporciona à custa do orçamento financiado por uma legião de sujeitos passivos e por um pelotão de sujeitos activos que lhe emprestam dinheiro a um custo cada vez mais elevado.

Sem comentários: