Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/03/2011

Lost in translation (97) – Rigor? Já fizemos engenharia orçamental no passado. Voltaremos a fazê-lo no futuro, queria ele dizer (XXII)

O INE distraiu-se e não actualizou a lista das entidades dentro do perímetro da Administração Pública deixando de fora alguns dos maiores elefantes brancos, como REFER, CP, Metros e Carris com passivos totalizando 12 mil milhões de euros ou 7% do PIB.

De acordo com as regras do Eurostat, as empresas públicas com receitas próprias representando menos de 50% dos custos têm que ser incluídas no perímetro da Administração Pública. Estas regras já têm barbas e o governo conhecia-as perfeitamente tanto assim que em 2009 incluiu a RTP e muitas outras empresas públicas, mas não os grandes mamutes – guess why.

Agora estes passivos vão ser adicionados à dívida pública que ultrapassará 90% do PIB e os défices de 2010 e anos seguintes vão ter que ser corrigidos.

Teoria da conspiração: percebe-se agora de onde caiu o PEC 4 e porquê estas manobras e as que se conheceram há dias, como os custos de nacionalização do BPN que o governo tentava atirar para 2008, só foram conhecidas depois.

Pergunta retórica: isto é da responsabilidade da oposição?

Sem comentários: