Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/03/2011

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: É também uma questão de incompetência

Não são só doutrinas erradas, estratégias erradas e políticas erradas e engenharia contabilística (um eufemismo para trafulhice). É também pura incompetência na gestão financeira do Estado pela clique socrática que nos conduziu à pré-insolvência.


Como se pode ver no gráfico anterior (extraído daqui, via Insurgente), a concentração da dívida a vencer a curto prazo é tão grande que conseguir a sua renovação nas condições actuais exigiria um custo tão elevado que engoliria a poupança, aniquilaria o investimento e liquidaria a economia. Ou então nos obrigará a um bailout do FEEF-FMI (já se viu que a FMI virá sempre no pacote – felizmente), a uma reestruturação da dívida com reescalonamento e muito provavelmente a um haircut e à renegociação dos juros, como aqui no (Im)pertinências se vem prescrevendo há muitos meses.

Chegámos aqui conduzidos pela estratégia de avestruz de Sócrates, um misto de incompetência e de mistificação e falta de seriedade para lidar com uma situação que, se não na sua génese, partilhada pela maioria dos governos dos últimos 30 anos, é da sua total responsabilidade pelo menos no agravamento contínuo nos últimos 6 anos, fazendo-a evoluir de uma situação de risco para uma situação de quase colapso financeiro.

Sem comentários: