Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/03/2011

Por qué no te callas?

«”O custo médio do stock ainda está em valores inferiores [aos das emissões mais recentes, a máximos históricos] e dada a maturidade média da nossa dívida levaria anos até as taxas actuais passarem a ser as taxas de todo o stock", disse à Lusa Vítor Constâncio, ex-governador do Banco de Portugal. "Um período curto [o aumento das taxas] é susceptível de ser absorvido [pelo stock], se for curto", adiantou.» O excelso ministro anexo em comissão de serviço em Frankfurt não explicou quão curto deve ser o período até que o bailout se torne inevitável.

Sem comentários: