Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/09/2011

Vou esperar mais algum tempo antes de me declarar admirador de António Mexia (6)

[Continuação de (1), (2), (3), (4) e (5)]

E se de repente o trio FMI/FEEF/BCE obrigar a cortar uma parte substancial dos chamados «custos de manutenção do equilíbrio contratual» destinados a compensar a EDP pela liberalização do mercado?

Baptizados como «Recebimentos Futuros da Actividade Regulada», com um saldo no final do 1.º semestre de 1,4 mil milhões o valor actual destes «futuros» representa mais de 1/3 da facturação anual. Imagine-se o impacto de um corte significativo nas contas da EDP que já não têm grande aspecto com uma dívida que não pára de crescer e já representa mais de 4 vezes o EBITDA e quase 10% do PIB.


E se a EDP em vez de enfrentar a concorrência em menos de 1/5 facturação tivesse que a sofrer em 80% ou 90%? Continuaria o Dr. Mexia a mostrar um ar energizante nos banhos na Comporta?

Sem comentários: